06/11/2016

Das partidas necessárias III

Cada impossibilidade mal contornada constituiu uma pá de terra a soterrar o amor. Foram sete palmos regados por um choro triste.

6 comentários:

  1. Que frase profunda! ;)
    Tudo tem um fim, o importante é encontrar novos começos.

    ResponderEliminar
  2. Verdade, meu caro, diria até que atingiu uma profundidade de sete palmos. :D

    É o bom dos fins, permitem sempre novos começos. Quem sabe se melhores. :)

    ResponderEliminar
  3. Subscrevo, subscrevo e subscrevo.

    É bom viver a pensar que o melhor está por vir ;)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E de uma forma inexplicável, o melhor vem!
      Nem que seja à força (como escrevi aqui/. :)

      Eliminar
  4. Que fique lá, debaixo desses sete palmos. Nada como chorar o que morre para começar a sorrir para os vivos!

    Beijos, Carla :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Creio que o choro serve o propósito da rega.
      O que morre renasce em coisas bonitas (mais se bonitas se o que as aduba também o foi :).

      Eliminar