21/10/2016

O pássaro teimoso

fosse eu uma escritora dotada e há muito que teria discorrido sobre ti, pequeno ser alado que insistes em bater contra o vidro da janela. não sei o que vês, o que tanto te atrai nesses quadrados sujos que resistem ao teu bico. há três meses que teimas em fazer parte dos meus dias -- mais coisa menos coisa, que eu sei que tiraste um mês de férias e me deixaste só do lado de cá. já estive para te deixar entrar, ouvir as tuas razões, mas não creio que nos fôssemos entender. és pequeno, todo negro à excepção da mancha branca que começa no teu pequeno pescoço de pássaro e te cobre a cara toda (não sei se os pássaros têm cara, para o enfeito, tu tens). porque é que és tão insistente? por que não desistes? os homens que amei largaram-me com uma facilidade que disse muito do quanto me amavam de volta e tu, pena negra e branca, não arredas pé. será que me trazes a felicidade e eu ainda não percebi?

8 comentários:

  1. Secundo a opinião da Laura!

    :)

    ResponderEliminar
  2. O meu pai disse o mesmo (mas não contava ter de limpar os possíveis disparates causados :).

    ResponderEliminar
  3. Deixa-o o entrar.
    Mas não lhe feches logo a janela.
    Coisas de homens.
    Às vezes somos muito medrosos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Vou seguir o vosso conselho, depois conto como foi. :)

      Eliminar
  4. Abençoado pássaro teimoso!!!

    (dotes de escritora, tens; só precisas é de tempo para que o mundo o reconheça )

    :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ele lá está, insistente como de costume. :)



      (ah! isso se calhar era muita gente, Janita ;)

      Eliminar
  5. Deixa-o entrar. Se é teu, prende-o, fecha a gaiola por favor. Pode ser que faças alguem feliz por impedires que o passaro bata noutra janela.

    ResponderEliminar