08/06/2016

A praia

Vejo frequentemente fotografias da praia onde te ensinei a palavra gaivota e me ensinaste a palavra saudade. É uma praia comprida, acompanhada por um corredor de madeira que salva os pés do incómodo da areia e passeia o tempo a mais.

As gaivotas voaram soltas nessa manhã fria de Inverno e tu saboreaste-lhes o nome numa língua que desconhecias. Passeaste o meu tempo a mais no chão de madeira e deixaste-me o incómodo da tua ausência. Nunca mais voltei àquela praia.

8 comentários:

  1. Se calhar foi melhor assim. Afinal há tantas praias bonitas... :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E esta até me fica um bocado longe. :)

      Eliminar
  2. Só mesmo uma rapariga simples para acreditar na palavra saudade :)
    Muitas das raparigas já nem a usam.
    Beijos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É uma palavra que só os mortos nos conseguem ensinar. :)
      Outros para ti

      Eliminar
  3. malvado... a tirar praias como se nã houvesse amanhã :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Como se não bastasse o mar para tirar a areia debaixo dos pés. :)

      Eliminar
    2. outro malvado... mas tu és mais que areia, mais que sal, mais que isso que se arrasta ou deixa arrastar :)

      Eliminar
    3. Que comentário tão bonito.
      Vou imprimir e emoldurar. :)

      Eliminar