04/03/2016

Apaziguamento

Não sei de onde vem esta serenidade, esta paz. Um estado imperturbável de esvaziamento. A satisfação de quem arruma a vida. Agora tudo está no seu lugar devido -- o que não pode ser, não pode nem ser, nem ter. Uma absoluta contemplação interior que irrompe pelos dias, sossegando as horas. Não sei de onde veio, sei que não quero que vá embora.

les-yeux-avides:

Patricio Suarez Photographer
Patricio Suarez Photographer

10 comentários:

  1. Mas não te deixes apaziguar exageradamente, Carla...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Nah, só um bocadinho!
      Por agora sabe bem. :)

      Eliminar
  2. Carla, o apaziguamento pressupõe esvaziamento?
    (Sempre, às vezes...?)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pode pressupor, sim (embora nem sempre).
      Quando te esvazias do que te consome a alma, do que te preocupa, então vem o apaziguamento.

      A mim veio. :)

      Eliminar
  3. O teu blogue enche-me de paz. :)

    ResponderEliminar
  4. Tens que lhe dizer para ficar, ou antes, tens que a fazer ficar. Acho que há fases, assim, boas e tranquilas.

    Beijinho

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Se isto fosse em condições, não era uma fase, era uma constância.
      Mas como isto raramente é em condições, o melhor é aproveitar enquanto dura. :)

      Eliminar
  5. a serenidade é o espaço para respirar

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A serenidade é o resultado de se voltar a respirar.

      Eliminar