05/01/2016

Vontades vespertinas




sonetos petrarquianos, de rimas entrelaçadas, interpoladas e emparelhadas

6 comentários:

  1. Respostas
    1. De que serve a saúde sem poesia, Jorge? :)

      Eliminar
    2. Carla
      De facto não se pode dissociar as coisas...

      :)))

      Eliminar
    3. A poesia versando a temática da doença não tem piada nenhuma. ;)

      Eliminar
  2. Bela forma de escrita.

    Beijos :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É uma escrita, de certa forma, perturbadora -- nunca mais um soneto é encarado da mesma forma. :))

      Eliminar