11/05/2015

Correspondência íntima XX

E onde está a memória do coração? Para mim, durante muito tempo, a separação, mesmo quando era eu a provocá-la, era como uma espécie de morte.


A memória do coração transita para a memória por si só. Claro que guardo um carinho enorme, talvez uma espécie de amor, pelos homens que amei e perdi, mas é só. Essa dor, como se a separação fosse uma espécie de morte, já desapareceu. Ou atenuou até à imperceptibilidade.

4 comentários:

  1. Belo texto.....A memória do coração transita para a memória por si só. O coração - por si só - tem sua própria memória.... o coração esquece e a memória cerebral vai se diminuindo... até se tornar uma pequena - quase imperceptível lembrança ....
    Carla... gosto de te ler. Acho que se você colocasse o texto em versos ficaria até mais marcante.
    Belo texto... bom dia e boa semana!

    ResponderEliminar
  2. Olá, Pequenos Delitos!
    A ideia de converter a prosa em verso é interessante, quem sabe não acontece? (:
    Por agora mantive-me fiel ao texto que foi escrito pelos envolvidos nesta troca de missivas.
    Boa semana!

    ResponderEliminar
  3. Sensibilizaste-me, pá!
    Depois de ler este texto, imagino-te uma mulher extremamente doce e carinhosa...mereces toda a felicidade do mundo e não tenho duvidas que vais encontrá-la.
    Beijinho muito doce!

    ResponderEliminar
  4. Doce e carinhosa nos dias bons. (;
    Sabes por onde anda a felicidade? A ver se a acho, é que ela é fugidia. (:

    ResponderEliminar