21/04/2015

No man is an island, entire of itself...

Sempre desconfiei das pessoas que afirmam confiadamente conseguir separar as ligações emocionais que se vão criando no mundo virtual das ligações emocionais do mundo real. As que garantem que, quando desligam o computador, o telemóvel esperto ou a tabelete, desligam também todas as leituras, as partilhas, as conversas.

Tenho para mim que o que lhes acontece na verdade é não terem quaisquer ligações emocionais com as pessoas com quem convivem no virtual. Somos seres sociais, uns mais do que outros, é certo, precisamos de nos relacionar, uns mais do que outros, é ainda mais certo, mas não acredito que sejamos ilhas, isolados de tudo e todos.

Hoje soube que uma pessoa que costumo ler e comentar, e por quem tenho uma grande estima, está a passar dias difíceis. Não é que possa fazer muito, pouco mais me resta do que usar a virtualidade para lhe enviar uma mensagem de ânimo e o desejo sincero que esses dias difíceis passem rápido e tragam, dentro do possível, boas notícias.

8 comentários:

  1. Subscrevo palavra a palavra. Para além do virtual existe sempre alguém como sentimentos que deve ser respeitada. Lamento que algumas pessoas não pensem assim.

    Gostei muito do teu post. Gostei mesmo muito!

    Beijinho

    ResponderEliminar
  2. Eu não consigo separar, confesso. As ligações emocionais tanto me ligam ao virtual como ao real.
    Aliás, sempre foi meu lema respeitar o outro, mesmo não conhecendo fisicamente.
    Também eu passei maus momentos e muitas mas muitas noites no virtual passei e fui buscar forças para continuar. Bem hajas pela partilha e preocupação com quem estimas.:)

    ResponderEliminar
  3. Obrigado, Carla. A generosidade é intrínseca aos bons seres humanos independentemente do éter por onde se deslocam.

    ResponderEliminar
  4. afirmar o contrário seria ser hipócrita.
    lamento.
    nunca consegui estabelecer uma ligação com alguém no mundo virtual
    (qualquer espécie de ligação)

    leio, gosto ou não.
    resume-se a isso.
    o defeito deve ser meu

    ResponderEliminar
  5. Tristan, não tens de afirmar o contrário, tens de afirmar a tua realidade. Nem é defeito, é ser a excepção que confirma a regra. (:

    ResponderEliminar
  6. Li numa entrevista a opinião de que a amizade virtual é uma merda e acabo por concordar. As coisas só são reais se houver contacto directo e não indirecto, como na amizade virtual. De certa forma a tecnologia permite o contacto indirecto mas não dispensa a verdadeira amizade, aquela que é vivida em pessoa.

    ResponderEliminar
  7. Não me referia à amizade virtual exclusiva, tem de haver algum senso comum. Umas não excluem as outras, nem o facto de ser virtual impede que eu sinta carinho ou afinidade pelas pessoas que vou aprendendo a conhecer, pela escrita.

    ResponderEliminar