30/03/2015

Quando morre um poeta

"A morte de alguém nunca nos compensa da falta que nos fará, ainda que a obra deixada seja bastante e nos pareça completa. É uma merda. A morte de alguém é uma merda. Quando nos agarramos aos poemas é porque não nos podemos agarrar a mais nada."

valter hugo mãe, "autobriografia imaginária", in JL, 8-21 de fev. 12

3 comentários:

  1. Foravde contexto isto é ym bocado insultuoso pra piesia. Ontem ouvi o woody allen resumir
    A mente tem isto e aquilo mas é o corpo que tem a diversão

    ResponderEliminar
  2. Foravde contexto isto é ym bocado insultuoso pra piesia. Ontem ouvi o woody allen resumir
    A mente tem isto e aquilo mas é o corpo que tem a diversão

    ResponderEliminar
  3. A poesia tem as costas largas - ou suficientes folhas entre a capa e a contra-capa - para aguentar mais este insulto.

    Ah, deve ser por isso que há corpos muito amuados, é de lhes faltar a diversão.

    ResponderEliminar