24/03/2015

Estou tristíssima

Aos amigos


Amo devagar os amigos que são tristes com cinco dedos de cada lado.
Os amigos que enlouquecem e estão sentados, fechando os olhos,
com os livros atrás a arder para toda a eternidade.

Não os chamo, e eles voltam-se profundamente
dentro do fogo.
─ Temos um talento doloroso e obscuro.
construímos um lugar de silêncio.

De paixão.




Escolho este poema pela evocação de outro poeta cuja perda foi irreparável.

2 comentários:

  1. e encerrar-me todo num poema,
    não em língua plana mas em língua plena

    Herberto Helder
    (1930-2015…(…

    ResponderEliminar