13/01/2015

As tesouras são nossas amigas

Mesmo aqueles que vivem os dias na companhia de pequenas angústias castradoras podem ter um momento de grito e libertação. Eu, que não cortava o cabelo há um ano, epiranguei-me. Despedi-me hoje dos meus fios castanhos que já quase chegavam à cintura e comecei um sério caso de paixão com o comprimento pelos ombros e com uma franja. Vinte anos depois.


5 comentários:

  1. e eu a pensar que havia provas documentais do "antes" e "depois"…

    ResponderEliminar
  2. Haver até há, pô-las aqui é que não sei bem. (:

    ResponderEliminar
  3. Nãoooooo! O que foste fazer, rapariga? :(

    ResponderEliminar
  4. Oh Fernando, o cabelo não tinha jeito nenhum, nunca andava penteado e precisava a sério de um corte para respirar.

    Eu deixo crescer outra vez. (;

    ResponderEliminar
  5. O cabelo é o espelho da alma. Imagino o teu longo, livre, solto e um bocado rebelde. Só coisas boas.

    «I will wear my hair long
    My hair long, my hair long
    An extension of my heart
    I will wear my hair long »

    The Cult, Dreamtime

    ResponderEliminar