17/12/2014

Tanto de meu estado me acho incerta



Tanto de meu estado me acho incerta. Assim mesmo, apropriado sem problemas de consciência nem direitos pagos a quem de direito - já vão tarde para lhe pagar o olho em falta e nos Jerónimos, pelo que diz, tem tudo o que precisa, que guarde eu os trocos e os use em proveito próprio. Guardo-os e guardo o verso que é quase uma segunda pele, a parca certeza de uma condição herdada pela força das circunstâncias. Tanto de meu estado me acho incerta, na vontade de ir e de ficar, entre o que quero e o que posso ter. São as sombras no fundo da caverna a descolorarem as ideias da perfeição, o fogo ateado por vislumbres semelhantes aos do poeta, porque a poesia toca a todos e de todos fala, assim a saibamos escutar. 


1 comentário:

  1. tanto de meu estado me acho incerto
    que tudo quanto sinto é um desconcerto
    e por isso da alma um rio me sai, da vista um fogo
    agora desespero, agora confio
    agora vario, agora desacerto
    num ano acho mil horas, e é jeito
    que em mil horas não posso achar um ano
    e se me pergunta alguém por que assim ando
    respondo que suspeito; porém não sei
    que é só porque vos li, minha senhora.

    [ feliz natal, achada incerta ]

    ResponderEliminar