04/11/2014

As putas II



às putas não foi dado o livre-arbítrio
nem a permissão para ter dores de cabeça

às putas exige-se disponibilidade constante
um sorriso nos lábios, luxúria permanente

porque as putas, meus senhores, as putas
comem e calam, às vezes levam, nem sempre
lhes pagam, porque às putas, caros senhores,
não foi dado o direito de pensar nem de sentir,
porque as putas, veneráveis senhores, são menos
que nada, servem para usar e deitar fora


parecendo que não, tem muito a ver com isto que decorre disto

2 comentários:

  1. Pois, mas acredito que se fosse possível escolher, haveria muitas mães e muitas esposas, a ficar em casa! A coser meias e a mudar fraldas!

    P.S Não sou machista nem nada que se pareça, a autora sabe disso!

    ResponderEliminar
  2. Primeiro veio o meu texto, depois o conhecimento do outros texto e só no fim a origem do anterior. Pareceu-me haver uma ligação, ainda que o meu seja uma metáfora de outra situação que o JAS está longe de conhecer.

    Acredito no mesmo. Até porque não me choca trocar a carreira pela família - mas estas são as minhas prioridades.

    ResponderEliminar