31/03/2014

Todas as noites

Silvia Grav




todas as noites volto para uma cama vazia, invariavelmente vazia, com duas almofadas para um só corpo e espaço a mais que nunca é ocupado. todas as noites volto para uma cama vazia, onde pontualmente se deita um gato, onde pontualmente se perde um livro, onde nem sempre o sono vem.





Sem comentários:

Enviar um comentário