06/01/2014

Um barco abandonado

Os dias de chuva entristecem-me. A ausência do sol escurece-me na proporção do crepúsculo, a humidade do tempo desconsola-me. É difícil usar do engenho em dias assim, porque o constante cair da água, em cortinas de gotas ou fortes bátegas, desfaz os cenários frouxos do meu teatro mínimo. É um desconsolo à vista as manchas esborratadas do que pintei no papel de cenário, a realidade a galope conquistando as minhas vagas esperanças.

O mar da Figueira rugiu o dia todo, atirou-se onda após onda contra os limites de pedra que alguém plantou ao longo da marginal. O mar da Figueira parecia querer deixar de ser mar, para ser gente, qual Ariel em fúria, caminhar na areia, dormir nos hotéis, descansar nas esplanadas. Os seus dedos violentos arrancaram pedaços de muro, na agonia de não poderem deixar de ser o que são - dedos de mar, braços de água, corpo de espuma, cabelos de algas, boca insaciável de peixe e de homens.

No meu monólogo triste, sou mar em fúria, sereia desfeita em espuma, um barco abandonado.





Barco Abandonado - Dulce Pontes e Ennio Morricone


Barco abandonado
Na voz do tempo, na margem do rio
Nesta lonjura
Na voz dos temporais
Anoitece um canto sombrio
Nas pedras deste cais

Há um adeus no meu olhar
Este meu barco prisioneiro
Há-de ser viageiro
No meio do mar

Barco abandonado
Na noite escura, na ronda do vento
Neste silêncio
Na voz dos temporais
Um lamento que a dor esqueceu
Nas sombras deste cais

Há um adeus dito a sorrir
Do céu, meu amor,
Ao céu que é meu e teu,
Um dia hei-de subir
Se te encontrar

3 comentários:

  1. gosto muito, também da canção que escolheste, tudo perfeito.
    um bom ano de 2014 para ti Clara.

    "dedos de mar, braços de água, corpo de espuma, cabelos de algas, boca insaciável de peixe e de homens." :)

    ResponderEliminar
  2. Não podia ser melhor dito nem melhor a canção escolhida para ilustrar este mar revolto.

    Aguardemos porém que o mar se acalme e tempestade se amenize, já é chuva a mais também para o meu gosto. Saudades dos dias frios e solarengos de inverno.

    Escreves de forma soberba, parabéns.

    ResponderEliminar
  3. Escreves de uma forma tão linda, Parabéns!

    ResponderEliminar