05/05/2013

Para os meus meninos, não vai nada, nada, nada

Isto de ver as crianças crescer tem o seu lado bom, mas também cria uma certa nostalgia de uma espécie de bem perdido. Longe vai o tempo em que eles mostravam sorrisos desdentados, ou sofriam grandes ataques de acne, ou se armavam ao pingarelho na parva fase do armário. Hoje eles são adultos, não tarda arranjam família própria e vão colher tudo o que semearam (Deus, Nosso Senhor, me perdoe, mas vou-me rir tanto quando isto acontecer).

Daqui a nada, Coimbra espera-me. Os meus meninos estão a crescer e uma delas acaba o curso este ano, com vinte anos, em três anos - coisa rara no Instituto em que estuda. Outro é caloiro - finalmente o sonho cumprido, mesmo esperando tanto tempo. Outro acabou no ano passado, outro acaba para o ano  - assim tudo corra pelo melhor -, e o outro, que só tem quinze anos, resmungou a bom resmungar porque é muito novo para andar já a levar com a cerveja que não pode beber.

Sou, por isso, uma espécie de mãe orgulhosa desta gente a quem desejo tudo, mas mesmo tudo de bom.

6 comentários:

  1. Esse orgulho só te fica bem.
    :)

    (Sim, a foto é minha e as que se seguem também. Por pouco tropeçava no teu avô.)
    :)
    http://tintacompinta.blogspot.pt/2013/05/sombra-e-luz.html

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Quando cá voltares, favor de avisar. :)

      Eliminar
  2. Ver as crianças crescer lembra-nos agora e logo que nós cada dia somos menos crianças! Grrrrrr...
    Beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não tem de ser assim e a nossa criança interior? ;)

      Eliminar
  3. Isso não são os teus meninos, é quase uma creche!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ah e faltou outro! Um dos meus ex-jogadores (não sei se mencionei ter treinado uma equipa de futsal) fez o favor de me abraçar todo encharcadinho de cerveja. Se eu não gostasse tanto dele... :S

      Eliminar