17/04/2013

O mistério dos collants esburacados


Os collants apareceram rotos sem que ninguém soubesse dizer como ou quem. Duas pequenas filas de buracos mínimos que se expandiam na medida da desgraça, assim que a licra se esticava para se moldar à perna.
Não havia explicação lógica e a roseira dificilmente arcaria com as culpas, posto que os seus espinhos eram muito mais irregulares na capacidade de mortificar a meia.
Pela manhã, o sol morno da primavera fora já suficientemente forte para secar a roupa no estendal. O cachorro saltitava de contente por estar na rua, o gato espreguiçava-se ao sol, a roupa era apanhada com todo o cuidado e o mistério era resolvido.
Zazu, o cachorro saltitão com instintos de cavalo em festival de exibição de dotes, saltita até aos collants pretos, abocanha um pé e morde, com indisfarçável alegria.
Um berro, a meia transtornada e duas pequenas filas de buracos mínimos a certificarem mais um par arruinado.

9 comentários:

  1. Se não fosse o Zazu há sempre o precedente da Maria. Estou grávida? Só pode ser um milagre porque sou virgem :D

    Neste caso seria o milagre da meia rota.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Juro, Luis, mas juro com toda a seriedade da minha alma, que não percebi um car##" do teu comentário e tudo o que me ocorre é que a Maria ficou grávida por causa de outras coisas rotas. loool

      Eliminar
    2. Não prometo nada, que muitas vezes eu também não os percebo. Basta terem passado 5 minutos. Mas vamos tentar.

      A Maria é Virgem Maria que teve um filho sem ninguém ter percebido muito bem como. (Ou pelo menos é o que ela diz :)

      Os collants também apareceram rotos sem que ninguém percebesse como. A ligação dos dois factos está estabelecida :)

      No caso dos collants veio a descobrir-se como. Mas se não se descobrisse o Zazu podia reclamar um milagre como justicação.

      Usando como precendte o caso cuja ligação já estabelecemos. Não sei se ficou meljor. Pelo menos ficou com mais palavras :D

      Eliminar
    3. Sabes, Luis, uma vez conheci um homem muiiiito sábio que me ensinou uma verdade fundamental: as piadas explicadas perdem a piada.


      Eu, moça tagarela como tudo, engoli em seco e aceitei a verdade dos factos. :D

      Eliminar
    4. Perante isto só há que meter a viola no saco e rumar ao pôr do sol

      Eliminar
  2. O meu cão - já morreu, mas está vivo - quando era pequeno gostava de levar cuecas e meias usadas para o ninho. O pivete que deviam ter para um cão, não o parecia incomodar. Ficava deitado, muito contente, a apanhar uma pedrada de meias e cuecas. Há que respeitar as idiossincrasias dos bichos. :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ai, coitadinho do teu cão, parece o nosso governo... queres que lhe escreva uma carta? :D

      Olha, acabei de me lembrar que o bicho também gosta de cuecas e eu tenho menos um par na gaveta, à conta disso, mas lavadinhas e perfumadas. Sempre é uma vantagem. ;)

      Eliminar
  3. Agora entendo a razão de ele querer ser um cavalo.
    :)

    ResponderEliminar