08/04/2013

Nunca mais servirei senhor que possa morrer

O conhecimento constrói-se. É uma pena que não venha em frascos com pílulas brancas ou xarope açucarado, para se engolir de um trago, sofrendo a eventualidade de um amargo de boca que não dura o tempo de um esgar arrepiado. É preciso material e trabalho afincado. Mais não seja a curiosidade. O bom de tudo isto é encontrar pérolas pelo caminho, como esta.


Meditação do Duque de Gandia sobre a Morte de Isabel de Portugal

Sofia de Melo Breyner Andresen

Nunca mais
A tua face será pura limpa e viva
Nem o teu andar como onda fugitiva
Se poderá nos passos do tempo tecer.
E nunca mais darei ao tempo a minha vida.

Nunca mais servirei senhor que possa morrer.
A luz da tarde mostra-me os destroços
Do teu ser. Em breve a podridão
Beberá os teus olhos e os teus ossos
Tomando a tua mão na sua mão.

Nunca mais amarei quem não possa viver
Sempre,
Porque eu amei como se fossem eternos
A glória, a luz e o brilho do teu ser,
Amei-te em verdade e transparência
E nem sequer me resta a tua ausência,
És um rosto de nojo e negação
E eu fecho os olhos para não te ver.

Nunca mais servirei senhor que possa morrer.

Nunca mais te darei o tempo puro
Que em dias demorados eu teci
Pois o tempo já não regressa a ti
E assim eu não regresso e não procuro
O deus que sem esperança te pedi.

4 comentários: