22/04/2013

Com a cabeça cheia de passado II

Este homem não teria em si nada de extraordinário não fosse pelo simples e aparentemente inútil facto de estar vivo.

A sua função é informar, mesmo quando ele é o primeiro a não saber.


Sem comentários:

Enviar um comentário