12/12/2012

Taxar os Ricos (um conto de fadas animado)



Qualquer semelhança com a realidade portuguesa...

14 comentários:

  1. Resta saber se as pessoas desta terra querem, ou não, fazer algo para que as coisas mudem...

    ResponderEliminar
  2. 1- Qual é a pequena coisa que, ainda que não resolva a tua vida, tornava os teus dias substancialmente melhores se se desse em abundância?

    Afeto.


    2- Dá-te para sonhares com reformas antecipadas nalguma parte exótica ou remota do mundo? e se sim, descreve.

    Nem por isso. O que me importa é estar em "casa". (:


    3- Se pudesses ter uma resposta a uma daquelas perguntas impossíveis sobre a nossa existência, ainda que não a compreensão total da nossa existência, qual era a pergunta que te resignavas a ver respondida?

    Desse ponto de vista, já estão respondidas.

    ResponderEliminar
    Respostas


    1. já volto para comentar, vou só fazer o jantar... fiquei muito curioso com a reposta 3

      Eliminar


  3. (antes de mais - não consegui ainda abrir o vídeo - alguma razão especial para teres escolhido este post?)

    1- sorry se te falta afecto na tua vida... embora me pareça mais que querias dizer "mais afecto das pessoas nas pequenas coisas, das pequenas maneiras"... afecto is a big thing though. i'll tie in with the next--

    2- um afecto incondicional, daquele de irmãos encontrados por exemplo, entre outros talvez, dá-nos a tal essencial "casa"

    3- "desse ponto de vista já estão respondidas" - de facto, mais ou menos. Ou é saber melhor ou então é igual ao litro que já conhecemos. Não me estou a exprimir bem, embora acho que tenha percebido o teu insight. Embora tenha ligeiras ressalvas. Por exemplo, há uma pergunta que mesmo com as nossas limitações talvez a resposta nos trouxesse alguma coisa. Mesmo a versão dumbed-down da resposta a "que propósito cumpre sermos tão pequenos, termos uma cognição e percepção tão falhadas, que propósito cumpre sermos tão alheados, que propósito cumpre a nossa falta de contacto com as coisas, o nosso não sabermos, e já agora a consequência da dor, ser tão extrema, que propósito cumpre esta ausência no nosso design?", dizia, mesmo a versão dumbed-down da resposta a isto já talvez me trouxesse alguma espécie de compreensão. se calhar não fazia muito com isso. De resto sim, há uma insistente verdade em "para aquilo que temos na cabecinha já temos as respostas possíveis", talvez parcial, mas...




    (e se calhar devia deixar-te "arejar" um bocado, porque tenho estado aqui a falar insistentemente contigo e não me quero tornar pesado. se quiseres ainda falar um bocadinho agora, i'm here. e volto a aparecer para estas trocas de que tenho gostado muito, mas nos próximos dias se calhar devia dar-te outros espaços, não?)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. amanhã prometo que te respondo em condições, sim? :)

      beijinho

      Eliminar


  4. (espero não te ter ofendido, quando disse o que disse foi por pensar que te ocupa muito passar todas as noites a falar tanto com o mesmo tipo ;) )

    e sim, eu sei que a tua "casa" é mais aquela de que falávamos no início das nossas conversas.

    beijinho!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não! (:
      A questão é que estou aqui com outras coisas em mãos e não te consegui responder logo.
      Não me aborreces, nem tão pouco me enfadas. Só que nem sempre te consigo responder com a rapidez que deveria.

      Eliminar


  5. piropo mais apropriado para os dias que correm

    "Olha lá, já alguém te disse que és extremamente papável?"

    ba dum... tchh...



    (não terei sido propriamente o primeiro a pensar nisso, tenho a quase certeza)

    -----

    e ainda bem que não te aborreço nem enfado, mas ainda sendo esse o caso é de compreender que não te queira monopolizar assim tanto o tempo (nem tu queiras ver o teu tempo tão monopolizado)

    digo isto para estares mesmo na boa. mesmo.

    e agora não consigo escrever-te isto sem ter flashes de "presumo estares a levar na boa" all across my brain. é um sinal claro de que é altura de ir apostar no próximo Papa para pôr as ideias em ordem :P


    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá!!!
      Perguntaste ontem porquê este post. Bem, assim salvaguardamos a nossa conversa de cair nos emails de todos os que já tinham comentado. (:

      Estou pr'aqui a ver se organizo coisas. Ainda consegui criar outro blogue pelo caminho, desta vez com dois amigos e faltam dedos para escrever tudo!

      Ah e comecei hoje aulas de inglês. :D

      Eliminar


    2. ah, eu não sabia que isso acontecia... portanto temos estado a ter um tempo de antena do caraças! =P

      hei-de espreitar o teu outro blog (presumo que tenhas link nesta casa)

      começaste a dar aulas de inglês?

      eu passei uma parte do dia a considerar vender ideias. long story short, já me aconteceu ideias que tive (e bastantes) distraídamente, e que não quis desenvolver - nem grande capacidade teria diga-se de passagem - verem a luz do dia por mãos de outros. isto não é nada de genial, são ideias a que quase matematicamente por associações mentais se chega, daí que facilmente outros seres humanos que nunca vi na vida as possam ter também, tranformá-las num produto e passar o resto da vida num jácuze com duas bimbas louras uma de cada lado. são os meus milhões a escaparem-me por entre os dedos, percebes? =D

      enfim...

      =)

      Eliminar


  6. gosto desta frase

    "Não apagues a luz. É no escuro que as horas mordem."

    li-a como um ultimato num suspiro seco



    ----


    estou a escrever uma coisa que surge de pensar em voz alta contigo aqui.

    ResponderEliminar
    Respostas

    1. mais concretamente--

      - foi de pensar em voz alta contigo sobre a ideia de música pimba progressiva que me ocorreu a mistura entre uma poética com maior densidade e textura de significado e o piropo ou a brejeirice, enfim, o cariz sexual cru

      e estou a tentar escrever uma letra, a jeito de exercício, a jeito de "Rudimentos para uma poética da música pimba progressiva (a guitarra acústica)"


      Eliminar


    2. mas a coisa foge-me.
      é preciso que eu ame a rapariga inventada da música. e é preciso querer comê-la.
      e convenhamos que isso é pedir muito para estas horas da madrugada com a bbc world de fundo.

      (beijinhos, boa noite Rapariga!)

      Eliminar
  7. Os comentários do blogue vão ser desativados. Sorry.
    Beijinho

    ResponderEliminar