30/11/2012

Os dias de chuva entristecem-me

Os dias de chuva entristecem-me. Não porque haja uma tradição literária e sentimental de desgraça e desapego a eles associados, mas porque os momentos tristes da minha vida aconteceram em dias de chuva, por extensão, em dias de inverno. Factos reais concorreram com a ficção, como se uma e outra fossem indissociáveis e tão verdade que por nada se negariam. É nesta certeza que volto a Wilde e à sua afirmação de que, qualquer coisa como isto, a vida imita a arte muito mais do que a arte imita a vida.

Por isso, os dias de chuva entristecem-me. Uma lembrança chama outra que chama outra e por aí fora, espirais de memórias de acontecimentos passados trazidos à luz por um mesmo sentir. Não conservo ilusões. Não há dores que se sintam em compartimentos estanques: agora esta, agora aquela, agora a outra. Não, elas são uma só a levarem-me a um patamar superior de sofrimento. Sentir uma perda é sentir todas as perdas. Chorar uma morte é chorar todas as mortes. Quebrar ao peso da saudade é quebrar ao peso da saudade inteira, feita de saudades mínimas. 

Este dia de chuva está a entristecer-me. Mesmo que esteja abrigada da chuva, mesmo que cá dentro esteja quente. Há uma chuva miúda de desapego que me encharca a roupa. Há uma corrente de ar frio que me arrefece os pés. Todos os meus fantasmas, vivos e mortos, se sentaram comigo, respiram por cima do meu ombro, leem com atenção tudo o que escrevo. Nem eles querem estar aqui, mas voltam sempre, pelo prazer de me mortificarem. 

A chuva cai lá fora. Creio que os céus estão solidários comigo.

26 comentários:

  1. Os fantasmas levantam-se, um a um... Vês? Estão a partir!

    Beijos ensolarados

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Acho que a música os mandou embora. Ou o chá quente. :)

      Eliminar
  2. Eu adoro os dias de chuva. Ainda que seja como dizes, que um pensamento leva a outro, sou uma pessoa que ama o frio e a chuva. Adoro o tilintar da chuva, o som do vento, o facto de aquecer-me para combater o frio :P
    Beijinhos*

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Gosto dos dias de vento, de andar na rua e quase ser levada pelo ar, ficar toda despenteada e com as bochechas vermelhas. Tão bom. :)

      Já os dias de chuva, quando se está sozinho, nem por isso...

      Eliminar
  3. Difícil combater a força das memórias e de tudo o que nos leva até elas.
    Um raio de sol para ti Rapariga

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada, querida Helena, esse raio ajudou a aquecer o ambiente e a afastar a chuva tristonha. :)

      Eliminar
  4. Andei eu tão empenhado a fazer bonés e chapéus de sol para "a menina" e agora desata a chover...
    Não está certo, pois não?
    :(
    Mas vai passar... vai uma aposta?
    :)

    Bom Fim-de-Semana!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não, não está. Que chatice, ainda por cima as raparigas são umas complicadinhas. Credo!

      Vai, sim, já o vejo mais longe. Foi só um cavado. Voltemos aos picos. ;)

      Eliminar
  5. E já pensaste que hoje é dia de chuva e eu estou aqui porque me lembrei de ti?
    Pronto, acho que estamos conversados. A partir de agora, dia de chuva é sinónimo de Simão Escuta e sorrisos.

    Não tens de quê.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Já me fizeste rir! E quase soltar umas fungadelas perigosas...

      :))

      Eliminar
  6. Tenho uma vaga ideia, do senhor tb ser oa ... A vida não foi feita para ser fácil (Life wasn't meant to be easy para quem ache que o inglês tem mais estilo)

    Quando não consegues juntar dois ímanes, qual é o que repele o outro? E quando se atraiem? É um ou o outro ou os dois? As palavras é que tentam imitar o que não tem imitação possível. Darem-nos sentimentos e sem nos darem formas decentes ...

    Quem nos deu asas para andar de rastos?
    Quem nos deu olhos para ver os astros
    - Sem nos dar braços para os alcançar?!...

    Tb gostava de saber quem foi o cabrão


    PS. (fora de sitio) Saíres da linha de comboio era capaz de ajudar


    Contar separar ou classificar a dor? Sei que a reação imediata é olhar para ela, mas o que cura é pôr o penso.

    Os fantasmas só se sentam connosco quando nos sentamos com eles. Eu próprio estou a escrever isto atravessado pelos meus. E se tentei falar dos teus, são os meus que falam.

    Porque na verdade não é fantasmas que deveríamos estar a falar. mas sim dos rascunhos que vou ali buscar

    O rascunho que me saiu na rifa é de maridos e maridas

    O marido chega a casa e diz à mulher: - Querida, hoje vou amar-te.
    Resposta da mulher: - Por mim podes ir a Marte, a Júpiter e até à puta que te pariu, mas deixa-me dormir em paz!!!

    ---

    Receita: Bacalhau com Broa
    Ingredientes: Esposa, bacalhau, espinafres, broa de milho, azeite, alho, cebola, batata e sal.
    Modo de preparação: meta a esposa na cozinha com os ingredientes e feche a porta.
    Espere duas horas e seja servido. Bom apetite.

    ----

    Eu queria morrer como o meu avô, a dormir tranquilo.
    E não a gritar, como os quarenta passageiros do autocarro que ele conduzia

    ---

    O que leva os homens a perseguir mulheres com quem não tencionam casar?
    O mesmo impulso que leva os cães a perseguir carros que não tencionam conduzir...

    ----

    Na primeira noite de um casal recém-casado, diz ela:
    - Amor, ainda não te disse mas... eu sou muito inexperiente, não sei fazer nada de nada!
    - Não te preocupes, querida: tiras a roupa, deitas-te na cama com as pernas abertas, e eu trato do resto.
    E ela, muito meiguinha:
    - Não, amorzinho, foder eu sei. O que eu não sei é lavar, passar a ferro, cozinhar, etc

    ---

    Impotência é só quando já se tem que empurrar a língua com o dedo.

    ---

    E prontos, compensan. Compensa-te a falta de nexo inicial, com o nexo da falta final.
    (foi mesmo só para brincar com o troca as palavras :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Miscelânea de frases soltas.

      Sim, o senhor também era coiso e escrever em inglês dá estilo e é pedante, assim como escrever antítese e tal.

      Sobre os ímanes não discorro, é conhecimento que a minha inteligência pequenina repele, sempre prefiro a Flor Bela, negrinha na alma como convém e umas perguntas às direitas, para as quais as respostas comportam grandes discussões metafísicas. Mas tudo depende da medição do nível, será meio cheio ou meio vazio?

      Curará pôr e tirar o penso, a pele precisa de respirar e fragiliza-se quando lhe falta o ar. Tem dias que é preciso tirá-lo devagarinho, limpar bem, dar beijinho e voltar a pôr; tem outros em que é preciso arrancá-lo à bruta, mesmo que faça ferida, desinfetar até arder nos olhos e deixar secar ao ar. O passado é um lugar estranho, comporta toda a nossa vida menos o futuro. O presente não existe.

      Os fantasmas são bons para cavaquear e ajudam até a libertar o stress. Quem não ficou já melhor depois de ter gritado uma ou duas coisas que só as almas podem ouvir? AH, eu, com todo o gosto. É mais uma coisa no processo de arrumar. Os fantasmas são menos cobardes do que o corpo, tal qual se vê.

      Não estou na linha, a menos que consideres que a linha redonda é tão bonita quanto a reta. Desalinhei completamente, pois que é coisa de família, são muitos os casos de transtornos de vária, sem contar a maldade pura. Qualquer dia escrevo a história dos meus antepassados e ninguém vai acreditar.

      Maridas é bonito, pessoalmente prefiro um marido. Que fazer, não gosto que compitam comigo no tamanho das mamas. Leiamos então os rascunhos.


      ....

      Misoginia pura. Tem o seu charme, se não for usada de forma prolongada.

      ....

      Chorei. Juro que sim, de tanto rir. SOu uma idiota, bem sei, mas cada vez que a leio gargalho sem qualquer pudor.

      ....

      Cães, assunto tão fofo quanto os gatos. Tenho uma cria de cão, no canil. Dá-lhe jeito?

      ....

      Já eu sei cozinhar, lavar, passar...

      ....

      É provável que em termos médicos lhe chamem outra coisa. Não importa, que esses dias nunca cheguem ou cheguem lá por volta dos 100 anos. Entretanto, guerreemos.

      ....

      Compensan e é Bruno Nogueira nu que me assalta a mente. Viva o puro nonsense!
      (foi mesmo só para confundir ;)

      Ah, toques na pele

      Eliminar
    2. Só respondo a isto daqui a uma semana, entretanto tenho que ir ali abaixo vestir o biquini que também quero ir para o calor!

      Eliminar
    3. Fico então à espera, talvez de O Livro das Respostas, já que são tantas as considerações tecidas sem retorno. Será? Pode ser em word ou pdf, não qualquer inconveniente.

      Aconselho o monoquíni, a sunga ou mesmo o triquíni, o bi corre o risco de não assentar bem na parte de cima.

      Venha de lá o calor (ou vamos nós ter com ele, dá no mesmo).

      Eliminar
    4. Triquini, por favor! :D
      ahah

      Eliminar
    5. Sinto-me atolado na dimensão da tarefa, e pela ideia do que poderá ser um triquini.

      Eliminar
    6. Clica aqui (https://www.google.pt/search?q=triqu%C3%ADni&hl=pt-PT&safe=off&tbo=u&tbm=isch&source=univ&sa=X&ei=V4G8UMJ7wdCEB7y5gKgD&sqi=2&ved=0CE4QsAQ&biw=1280&bih=687) e ainda investes um tempo considerável a ver boas peças de tecido...

      Não precisas de agradecer. :D

      Eliminar
    7. Que mal te terei eu feito.... :)

      Eliminar
    8. És um público difícil! Eram coisinhas tão mimosas. sniff

      Eliminar
    9. Até conseguir afastar estas imagens do pensamento, vou ter pesadelos. Estás perdoado, porque sei que foi com boa intenção

      Eliminar
    10. O perdoado deve ter sido um acto falhado.

      Eliminar
    11. Pesadelos por teres visto mulheres boas comó caneco, sumamente despidas?
      OMD!!!!! No meio disto, o 'perdoado' nem é o mais grave.

      Eliminar
    12. Daí o acto falhado (em termos psicanalíticos!!! :)

      Eliminar
  7. Acho que assentar as trouxas na Républica Dominicana (por exemplo), não era mau pensado.
    Viajas comigo? Agora?

    5 min e estou à tua porta, com promessas de calor e cubas livres!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Bora lá, miúda. Já estou a pôr o biquíni (grrr) na mala. ;)

      Eliminar