20/11/2012

Correspondência Íntima - VII

Porque aquilo que apontas como motivo de culpa − a tua extraordinária capacidade de não pressionares as pessoas, nem quereres saber mais do que achas que te é devido − é precisamente a origem do teu encanto.


A única coisa que sei é que parece que não chega e depois é horrível ser assim, porque este dar ar e liberdade é pago por mim em horríveis angústias que não manifesto. Sou eu sozinha a tentar processar as inseguranças, os medos, a saudade, o sentimento de abandono - muitas vezes -, tentando seguir a lógica do respeitar para ser respeitado. Isto, meu caro, é imensamente desgastante, porque não há transferência, fica tudo aqui e leva a outra pessoa a convencer-se que as suas ausências não causam transtornos, porque eu não cobro, pelo menos não com agressividade desmesurada. Feitas as contas, são noites e noites mal dormidas, para além de inúmeros dias de cão.

3 comentários:

  1. Às vezes o ser muito tolerante, respeitador e correcto não funciona, acredita que já senti isso bem na pele.

    ResponderEliminar
  2. Fizeste-me lembrar a linguagem de um psicanalista... Gostei! :)

    ResponderEliminar
  3. É, realmente, essa a origem do teu encanto...
    Bjo

    ResponderEliminar