04/10/2012

Terra árida

Dou às coisas uma importância que elas não têm, insisto em querer ter todas as respostas e entender todos os porquês. Às vezes finjo que me esqueço e que não faz mal todo o desconhecimento que me cerca e está ali mesmo no virar da página de um livro que nunca foi escrito. Depois lembro-me e os assuntos anões são agora gigantes. Não tenho pedras suficientes nas mãos para atirar. Eu que nunca matei um urso, nem lutei com um leão. Eu que tenho o meu cabelo castanho e não domino a arte da música. Eu que me afogo no mar do que não sei resolver. Eu que só precisava de entender, de saber um pouco mais de poucas coisas mais. Pegar nos assuntos inacabados, trancá-los em caixas de bronze, com ferrolhos de ferro e perdê-los. Em mim não há força. Quero esquecer que antes de hoje houve outros dias e semanas e meses e anos, num passado que se adensa no calor das horas. Tenho medo de me esquecer. Tenho medo de me esquecer-me. Ainda tenho medo de me esquecer-te. Há um instante de dor aguda que se prolonga num batimento cardíaco sem fim. Saber que não pensaste em mim, que eu não pesei nas tuas contas. As decisões e não-decisões arrasaram-me. Sou um campo de batalha que cheira a morte, carregada de mortos nas mãos. Tombaste. Tiveste mais do que um corpo, mais do que um nome, ainda assim tombaste. Vez após vez, tombaste. Somaste-te ao número das perdas que não recupero e levaste-me contigo. Pedaço após pedaço.  Se ao menos pudesses olhar para mim e ver aquilo em que me tornaste. Um lugar triste, um jardim seco, uma terra árida. 





[hoje é a última vez que me lembro assim. fazes-me falta, todos os dias, não sei bem porquê, mas hoje fico-me por aqui. quase um ano, como é possível...]

15 comentários:

  1. Isso toca-me em partes da alma que já não sabia que tinha.

    Acho que estas melancolias todas se devem, não apenas às efemérides, mas também ao tempo enfadonho de Outono que se faz sentir.

    Estou a torcer por ti. :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Estou a gastar, Kenny, aquilo de que te falei. Estou a chegar ao limite da minha resistência. Estou a chegar ao momento de dizer "não consigo sofrer mais por isto" e isso é bom.

      Eliminar
  2. De uma terra árida que será condição para que nela possa voltar a crescer a magia de qualquer recomeço. Beijo*

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O bom das situações limite é que só podem continuar para o outro lado, ali não há mais nada. É o que espero.

      Eliminar
  3. Ui, este texto é impróprio para pessoas sensíveis e que estão a sentir o mesmo :')

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Para falar a verdade, este texto nem deveria ser pensado, quanto mais escrito.
      Como diz o José Mário Branco, na fantástica versão musicada dos Linda Martini, não pode haver razão para tanto sofrimento, ninguém deveria sofrer assim.

      Ânimo, V*. :)

      Eliminar
  4. Gostei muito do texto e do relato que está implícito :)

    Falando em perdas acumuladas, este ano para mim está estranhíssimo. Mas enfim.

    Às vezes tornamo-nos coisas em modo de autodefesa. Um dia, no tempo certo, essa defesa abranda.

    Beijinho

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. As minhas defesas estão a abrandar, ao mesmo tempo sou mais desconfiada. O que pode parecer uma contradição, mas até nem é. Já não deixo pessoas de fora, só não as deixo entrar muito.

      Sou de perder pouco, no que a objetos e pessoas diz respeito, quando perco é alla grande, sem hipótese de recuperar. É tudo uma questão de somar mortos, piora quando isto deixa de ser só metáfora.

      Um beijinho para ti :)

      Eliminar
  5. Adubo, plantinhas e um regador!
    Nunca fui muito boa jardineira, mas quando a situação o exige eu tento :)

    Quem sabe o jardim seco, não vira uma beleza verde e fresca.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sabes, há uma mão-cheia de pessoas que me conheceu quando eu era a SecretGardenGirl. Talvez lá volte. :)

      Eliminar
  6. Quando "batemos no fundo" só temos 2 opções: ou ficamos lá afogadas ou aprendemos a nadar de uma forma diferente...na certeza porém, de que a pessoa que vem à tona não é a mesma, nem o Mundo será visto da mesma forma...É gratificante sentirmos a nossa Força :)

    ResponderEliminar
  7. Olá rapariga simples, "tenho" um blog de cartas de amor e gostaria de colocar lá este teu texto...Pode ser?se quiseres passar por lá...http://ascartasaparis.blogspot.pt/

    p.s.:gosto do ar que se respira aqui!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá, Carlos, sinto-me honrada pelo pedido. Certamente que sim, que o pode levar. :)

      Eliminar
    2. http://ascartasaparis.blogspot.pt/2012/10/terra-arida.html

      Já está...e que bem que fica!;))

      Obrigado

      Eliminar
  8. Terra árida é terra esquecida. Deixa que passem por ti novamente e te cultivem. Estás cada vez mais forte :)

    ResponderEliminar