17/08/2012

Rosa vermelha em quarto escuro

Adoro feiras do livro. Melhor, adoro encontrar os livros que quero ler, a preços acessíveis, nas feiras do livro. Gosto indiscutivelmente mais quando esses livros excedem as minhas expectativas. Como este.

Pedro Paixão tem um estilo de escrita que me agrada bastante. Com frases curtas. Limitadas ao essencial. Cada uma valendo o que vale. Já conhecia o estilo de Saudades de Nova Iorque e de A noiva judia, no entanto, interessava-me ver como o autor passaria de um estilo diário e micro-ficções, para um romance. 

Na verdade, partindo da ideia de que a minha opinião vale alguma coisa, tenho para mim que, ainda que romance, Rosa vermelha em quarto escuro não deixa de ser composto pelas tais micro-ficções tão características de PP, à volta da mesma personagem, mas com vida própria se tirados do seu lugar. 

Gostei disso. É muito parecido com a forma como gosto de escrever. Li-o de um fôlego. Não há como manter o livro fechado, sem saber o desenlace.

8 comentários:

  1. Nunca li nada dele. Tenho que ver, até porque gosto de livros de contos curtos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Este está a 7€ na Bertrand. :) E de certeza que na Cotovia também encontras as Saudades a preços acessíveis, há pérolas escondidas por todo o lado.

      Eliminar
  2. A rosa não é vermelha e o quarto não é escuro.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. As coisas quase nunca são como queremos.

      Eliminar
  3. Para mim os livros têm de ter no minimo 400 paginas.
    Gosto de saber que ainda vou saborear a história por muito tempo :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Depende. Não gosto nada da possibilidade de ler histórias que me enrolem (não é que aconteça sempre), acabo por preferir livros pequenos, na esperança que sejam histórias arrebatadoras e que me arrebatem na velocidade de um ai. O pior é quando não acontece. :P

      Em abono da verdade, eu gosto de livros, o resto são pormenores de páginas. ;)

      Eliminar
  4. Fiquei curiosa. Deixa-me cá terminar o Filho de mil homens que eu digo-te.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ahhhhh, valter hugo mãe é o senhor que se segue nesta minha viagem exploratória dos novos autores portugueses. Não que já tenha lido muito de cada um, pelo menos já li uma amostra que me deixa ter uma opinião segura (mais ou menos que isto de escritores a gente nunca sabe). Dele, acabo por conhecer melhor a música e o que escreve no FB, porém, não me escapa, não escapa, não. :)

      Eliminar