06/07/2012

Interrogações cíclicas. Considerações finais.


Como é que as pessoas que amamos nos morrem? Que cruel necessidade têm elas de nos ver sofrer, de nos abandonarem? As pessoas que amamos não deveriam ter prazo de validade, deveriam ser eternas, maiores do que a morte. 

As pessoas que amamos deveriam estar sempre prontas a receber-nos de braços abertos e sorrisos rasgados, nas horas quentes dos dias felizes, quando há cheiro a limão no ar e o sol se reflete no espelho celeste. 

São elas as guardiãs do segredo da nossa essência. Guardam-no mais dentro a cada abraço, a cada beijo, a cada riso, a cada lágrima. Tecem com as mãos cordas apertadas, fundem na pele os extremos das pontes que nos ligam, escavam no vagar do tempo os caminhos que percorremos a cada regresso, a cada reencontro.

As pessoas que amamos não nos podem morrer. As pessoas que nos amam não nos podem levar aos pedaços com elas, para parte incerta. O amor e a morte nunca deveriam encontrar-se.

12 comentários:

  1. Respostas
    1. Parafraseando essa grande filósofa portuguesa da nossa contemporaneidade, Lili Caneças ela mesma, morrer é o contrário de viver.

      Eliminar
  2. perdi demasiadas pessoas que amo, pela morte, uma morte que chega a tomar várias dimensões. a morte, por acidente, doença, causas inexplicáveis, e até mesmo a morte de, simplesmente partirem, deixarem de existir nas nossas vidas, por opção própria. As duas últimas frases que escreveste, bom, elas fizeram-me entrar numa outra dimensão. É estúpido, porque, onde quer que olhe, especialmente na minha própria "experiência de vida", o amor e a morte parecem ser as melhores companheiras

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não tenho muito a acrescentar, partilhamos o mesmo sentimento.

      Eliminar
  3. A verdade é mesmo essa, as pessoas que amamos nunca deveriam morrer!
    Mas a vida é este palco de actores... uns ficam os outros vão. Uns amam os outros odeiam. Uns preenchem-nos os outros aborrecem-nos.
    Custa a passar a dor mas o tempo é o melhor amigo, nem que passem 10 anos mas ajuda a atenuar a falta que sentimos daquele amor que um dia experimentamos :|

    Lindo texto. Beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É, Pin, esse curandeiro chamado Tempo é o único que parece ser capaz de ir desgastando a falta que as pessoas nos fazem. De outra forma seria um fardo demasiado pesado para carregar.

      Eliminar
  4. É um brilhante conclusão, que não foi tomada em conta quando descarregaram toneladas de sentimentos e emoções em nós!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E isto seria um brilhante início, para aquela mesma conclusão.

      Eliminar
  5. "E de novo acredito que nada do que é importante se perde verdadeiramente. Apenas nos iludimos, julgando ser donos das coisas, dos instantes e dos outros. Comigo caminham todos os mortos que amei, todos os amigos que se afastaram, todos os dias felizes que se apagaram.
    Não perdi nada, apenas a ilusão de que tudo podia ser meu para sempre" (miguel sousa tavares)
    :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Nunca pensei vir a escrever isto, mas... o MST agora disse tudo. (OMD, deixa-me ir ali penitenciar)

      Eliminar
  6. Respostas
    1. Foi uma pena teres apagado o comentário, eu ia concordar contigo. Sinto o mesmo.
      A brincar, sendo muito a sério, até digo que as minhas amizades só têm 5 anos de validade, depois disso, tenho de recomeçar tudo de novo (assim mesmo redundante :).

      Eliminar