11/06/2012

A divisão das partes


Divide-se o ser em partes iguais. Duas metades agridoces,
em formas aparentemente semelhantes. Uma que,
insurgindo-se contra o tempo, persistirá na saudade,
no lamento, revivendo em contínuo os microssegundos
de uma existência que coube, toda ela, na palma
da mão. Pelejando o esquecimento, perdurará na lembrança, 
no afago, tecendo cada memória nos músculos do
coração. Coexiste com esta a outra parte, a metade
derrotada pelo tempo e pelo cansaço da espera vã. A metade
que enxugou as lágrimas com as costas das mãos e largou o
que já não era seu. A metade que se começou a levantar, a
juntar os pedaços, a caminhar com passos lentos,
para parte incerta. Certa de que é necessário
que volte a viver.

7 comentários:

  1. E esperar que a metade forte prevaleça sempre :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. De momento é uma metade muito confusa. Acredito que com o tempo consiga orientar-se melhor. :)

      Eliminar
    2. Like i said :)
      Esperar...

      Eliminar
  2. A parte reparte-se entre partes do percurso
    sucessivamente
    continuamente
    até que una seja a parte

    Gostei do espaço e das palavras

    Bjo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Gostei do que as minhas palavras provocaram. :)

      Eliminar