16/05/2012

Arte no feminino - Helena Almeida

biografia
http://www.artnet.com/artists/helena-almeida/


No início era a pintura – enquanto apresentação fiel da realidade, retrato, postal turístico –, depois veio a fotografia e vaticinou-se o seu fim.

Ao contrário das vozes apocalípticas, a pintura não cedeu completamente o seu lugar à fotografia, passou-lhe a tarefa de registar o real e permitiu-se explorar novas composições formais e cromáticas, novas perspectivas, pensar-se enquanto expressão artística, numa metapintura. Os movimentos plásticos do início do século XX só são possíveis pelo corte desta “obrigação”, o realismo ficara para trás, a viragem do século foi também a viragem para novas abordagens.

No entanto, assumir que a fotografia fez repensar a pintura sem que se desse o fenómeno inverso é redutor. Barthes afirma que “a Fotografia foi e é ainda atormentada pelo fantasma da Pintura” (Barthes, 2006:34); do grego φως [fós] ("luz"), e γραφις [grafis] ("estilo", "pincel") ou γραφη [grafê], Fotografia significa "desenhar com luz e contraste", os quais substituem a tela, o pincel e a paleta de cores da pintura.

As máquinas digitais e os novos programas informáticos de manipulação de imagens permitem-nos hoje recriar, reconstruir uma fotografia, pintando-a com outros fundos, retocando cores e pormenores, corrigindo defeitos, revelando uma fotografia plástica e pouco pura, no sentido de muitas vezes estar longe da fotografia realizada no momento do disparo da câmara.

Este diálogo entre pintura-fotografia, tantas vezes íntimo, outras tantas distante, está presente nos trabalhos de Helena Almeida, artista portuguesa contemporânea que se destaca pela abordagem que faz à pintura e à fotografia.

Originalmente pintora, envereda pela fotografia pela necessidade que sente em ser o centro do seu trabalho, “combater a distância que na pintura existe entre ser e representação, a tirania do corpo ausente do pintor que passa a vida a representar outros corpos, ou então, que cai noutra prisão: a do auto-retrato” (Carlos, 2005:8). 

(excerto de um trabalho meu, só porque dava muito trabalho voltar a escrever tudo)



3 comentários:

  1. A fotografia sempre andou abraçada à pintura de forma frustrada, primeiro em tentativas pouco felizes de tentar igualar a pintura, depois por desejo da criatividade. Desde que surgiram as novas tecnologias nota-se uma aproximação intencional às artes plásticas e vejo-o como um sonho concretizado, não há limites e é uma união que dará os seus frutos. Portanto, gosto muito das intenções de Helena Almeida.

    ResponderEliminar
  2. Tão, mas tão culta esta rapariga que se diz simples ;)

    Beijos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E tu ainda não viste o charme que se esconde por trás de toda esta cultura! :D

      Eliminar