27/02/2011

he made me totally hungry

Ela é uma cantora inglesa que ouvi há algum tempo e na altura não me despertou qualquer curiosidade. Irónico, tendo em conta que de momento a minha companhia musical inclui duas músicas do seu mais recente álbum 21.

Já tinha postado uma música antes, depois acrescentei o vídeo ali do lado com uma versão ao vivo de  "Someone like you".

Foi justamente quando procurava a letra desta música que encontrei uma entrevista dela que me fez todo o sentido e ajudou a entender o meu estado emocional.

Diz Adele que while writing it helped ease her pain, it didn't totally heal her. Não pude deixar de me identificar, ainda que este bloguinho não possa ser comparado à música que ela faz.



No entanto, é quando ela diz he made me totally hungry que tudo faz sentido.


He got me interested in film and literature and food and wine and travelling and politics and history, and those were things I was never, ever interested in.

Pelo menos não tanto quanto fiquei depois.

As conversas subiram a patamares onde nunca antes chegara, havia um constante aguçar de curiosidade, de troca de opiniões, estar dois passos à frente porque era um desafio.

Havia aquela fome de conhecimento e partilha.


É essa perda que lamento, é disso que sinto realmente falta, fui deixada numa altura onde ninguém tem conseguido ou sabido chegar.

 hungry_by_kexiaohuax3

Ficou a fome, uma fome que cresce porque não tem sido saciada.

21/02/2011

Trinta e um é igual a

 um grande
 
Thirty_One_by_candidphoto
 
 
 bem à imagem e semelhança da dona.

18/02/2011

Já passaram 3 anos

18 de Fevereiro de 2008, Coimbra.


Tudo tem um início, o deste blogue foi na data supramencionada.
Em três anos de escrita, posso dizer que este espaço contém necessariamente um Génesis, muitos Provérbios, ainda mais Cânticos, não testemunhou milagres mas assistiu a renascimentos e ressurreições, provavelmente iniciou já um Apocalipse.


Ab initio

No início era a necessidade de processar tudo o que ia cá dentro, e as palavras foram saindo timidamente, projetando-se na tela das mensagens, e foram recebidas por mim de braços abertos.

Não nasceu para ser famoso, não nasceu para suprir necessidades sexuais, não nasceu para os outros, nasceu porque houve dias em que doía demasiado e eu precisava livrar-me daquele lastro.

Não era correto, muito menos saudável, saturar as poucas pessoas que estavam a par da situação, os amigos são para as ocasiões mas não para viverem os meus dramas ao milímetro, por isso comecei a escrever.

Precisava de olhar com distanciamento a mescla de sentimentos. Precisava olhar para o papel virtual e ver quanto estava gasto, quanto faltava gastar. Precisava despir aquelas camadas que ameaçavam sufocar-me.

Nos dias menos bons, porque houve dias em que o simples respirar era um exercício hercúleo, publicava em catadupa, pequenas frases, palavras dos outros, palavras minhas, músicas, imagens, tudo quase sempre junto.

Era quase mutilação emocional, crescer dói, não só no corpo como na alma.

No fim, sentia-me sempre mais livre. "Aquilo" estava mais gasto, um dia estaria gasto de vez.

Durante meses, ninguém soube deste espaço, ninguém o leu a não ser eu.

You came into my world,
and when you kissed me,

you collapsed me forever

Into this world

when you held me,

We fought windmills together,

and you came into this world,

and you killed me.

Forever, means ever,

into this world.

("Pure" - The Gift)


O destinatário

Este blogue teve, até meados de janeiro, um destinatário definido. Em nenhuma ocasião "tu" foi irreal.
Um dia o destinatário soube que o blogue existia, creio até que leu algumas coisas, terá preferido evitar outras, e nesse dia as portas abriram-se e aquele que tinha estado escondido mostrou-se sem vergonha.

Também nunca pretendi atribuir culpas.

Não há culpados, há apenas consequências de jogar pelas ou contra as regras. Eu quebrei as regras quando segui as regras, por ter seguidos essas regras que quebraram outras encontrei-me naquele ponto que não sei explicar.

Agora não há nenhum "tu", antes de todos, há apenas um "eu".

Há um perfume que não sai do meu cheiro.
Há um sabor que não sai da minha boca.
Há uma voz que não sai do meu ouvido.
Há um toque de pele que não sai das minhas mãos.
Hás tu que não sais dos meus olhos...

Entra, não faças barulho.

Inunda o meu olfacto.
Apodera-te do meu gosto.
Fala ao meu ouvido.
Toca a minha pele.
Entra nos meus olhos.

Mas não faças barulho...

Seguidores

Não sei como cá chegaram, um dia eles clicaram no botão e juntaram-se.
Meses mais tarde, alguns acharam que podiam comentar e salvaram o blogue da total clandestinidade.


21.12.99
Santo António do Estoril

Apago todas as mensagens. Menos as tuas. Guardo a tua voz em pequenas doses e, dia sim dia não, ouço-as todas de seguida. Sinto-me demasiado incapaz para falar contigo para o que quer que seja. Não sei onde estás. Não quero saber. Tenho medo de saber mais do que sei. Uma dor de cada vez basta.

in Saudades de Nova Iorque, Pedro Paixão



Agora

Quando escrevi que não sabia que rumo este blogue levava, estava realmente sem saber.

Este blogue ganhou vida própria.

Uma coisa sei, não se submeterá à ditadura do número de seguidores ou comentários. Aqui não há comentários censurados, nem feitos para me agradar.

Neste espaço, exijo que as pessoas se expressem com verdade, nem que seja com silêncio, que opinem mesmo que me contrariem, que sejam fiéis a si mesmas.

Não quero beijinhos, quero opiniões; não quero que me elogiem, quero que leiam e comentem se quiserem. Não quero comentários para encher, prefiro nada.

Eu não vou transformar este espaço em banalidade.



Ad aeternum?

17/02/2011

E hoje ainda é Dia dos Namorados?


in SCOTT, Jerry; BORGMAN, Jim (2001). Não me revires os olhos, jovem!. Zits. Lisboa: Gradiva. p.51

16/02/2011

Cortesia PES 2011



Tive de dar o braço a torcer, afinal o PES não é só um joguinho de entreter os meninos com demasiado tempo livre, também tem as suas vantagens musicais.

Admissão feita, esta é uma das músicas da banda sonora, curiosamente tem uma letra deprimente que há uns meses atrás me faria chorar copiosamente, no entanto o ritmo desdramatiza-a.
De acrescentar que as outras músicas dela, incluindo Inferno, são muito boas. A cantora Nina Zilli tem sido acusada no Youtube de ser uma cópia italiana de Amy Winehouse, parece-me que é uma acusação forçada, mas isto sou só eu que não percebo nada de música.

Signori e Signore, eccola!


Lyrics to 50mila (feat. Giuliano Palma)

Cinquantamila lacrime non basteranno perchè
*(cinquenta mil lágrimas não são suficientes porque)
musica triste sei tu dentro di me.
(tu és a música triste dentro de mim).

Cinquantamila pagine gettate al vento perchè
(cinquenta mil páginas atiradas ao vento porque)
eterno è il ricordo, il mio volto per te.
(eterna é a memória, o meu vulto para ti)
Non ritornare, no tu non ti voltare, non vorrei mi vedessi cadere.
(não voltes, não te voltes, não quero que me vejas cair)

A me piace così, che se sbaglio è lo stesso, perchè questo dolore è amore per te.
(agrada-me assim, se me engano é o mesmo, porque esta dor é amor por ti)
Cinquantamila lacrime senza sapere perchè
(cinquenta mil lágrimas sem saber porquê)
sono un ricordo lontano da te.
(sou uma recordação distante para ti)

Cinquantamila lacrime non basteranno perchè
(cinquenta mil lágrimas não chegam porque)
musica triste sei tu dentro di me.
(tu és a música triste dentro de mim)
Non mi guardare, non lo senti il dolore, brucia come un taglio nel sale.
(não me olhes, não sentes a dor, queima como sal numa ferida)
A me piace così, che se sbaglio è lo stesso, perchè questo dolore è amore per te.
(agrada-me assim, se me engano é o mesmo, porque esta dor é amor por ti)
A me piace così, e non chiedo il permesso, perchè questo dolore è amore per te.
(agrada-me assim, e não peço licença, porque esta dor é amor por ti)


* tradução minha

15/02/2011

Nunca mais bebo Coca-Cola!

15 de Fevereiro, 2011

Uma fotografia publicada em 1979 permitiu que fosse desvendado um dos segredos mais bem guardados de sempre. Afinal, os coentros também fazem parte da 'receita mágica'.John Pemberton foi o farmacêutico que criou a receita da Coca-Cola em 1986, que agora foi tornada pública.
Segundo o site ThisAmericanLife.org, a receita foi descoberta através de uma fotografia publicada no Atlanta Journal Constitution.
Através da fotografia foi possível descobrir que, para além da cafeína, limão e caramelo, os coentros também fazem parte da receita mágica da Coca-Cola.
Na imagem divulgada é possível ver um livro aberto com a lista de ingredientes utilizados pelo farmacêutico John Pemberton e com as respectivas medidas.

Receita secreta da Coca-Cola
Extrato fluido de coca - 3 tragos
Ácido cítrico - 3oz (aprox. 90ml)
Cafeína - 1oz (aprox. 30ml)
Açúcar - 30 # (na receita a medida não é clara)
Sumo de limão - 1qt (aprox. 950ml)
Baunilha - 1oz (aprox. 30ml)
Caramelo - 1.5oz (aprox. 45ml)
Aromatizante 7X
Álcool - 8oz (aprox. 230ml)
Óleo de laranja - 20 gotas
Óleo de limão - 30 gotas
Óleo de noz-moscada - 10 gotas
Óleo de coentros - 5 gotas
Óleo de canela - 10 gotas
Óleo de neroli - 10 gotas

SOL


[COENTROS??????? Eu sou do quase norte, carago! Só tolero salsa, coentros é que não!!!!]

14/02/2011

Feliz dia de... coiso! humpf


in SCOTT, Jerry; BORGMAN, Jim (2001). Não me revires os olhos, jovem!. Zits. Lisboa: Gradiva. p. 21

12/02/2011

Porque hoje é sábado


Lunedi'
com'e' triste il Lunedi' senza te
Martedi'
com'e' vuoto il Martedi' senza te
Mercoledi'
ci potremo salutar
solamente per telefono
come pure Giovedi'... e Venerdi'
ma Sabato sera
ti porto a ballare
ti potro' baciare... ti potro' baciare
ma Sabato sera
ti porto a ballare
e potro' restare con_te!!
ma Sabato sera
ti porto a ballare
ti potro' baciare... ti potro' baciare
ma Sabato sera
ti porto a ballare
e potro' restare con te!!

Lunedi'
si comincia a lavorar Lunedi'
Martedi'
si comincia ad aspettar Martedi'
Mercoledi'
un bacetto ti daro'
solamente per telefono
come pure Giovedi'...
e Venerdi'....
ma Sabato sera
ti porto a ballare
ti potro' baciare... ti potro' baciare
ma Sabato sera
ti porto a ballare
e potro' restare con te!!
ma Sabato sera
ti porto a ballare
ti potro' baciare... ti potro' baciare
ma Sabato sera
ti porto a ballare
e potro' restare con te!!
ma Sabato sera
ti porto a ballare
ti potro' baciare... ti potro' baciare
ma Sabato sera
ti porto a ballare
e potro' restare con te!!

[esta música foi a loucura na aula em que aprendemos os dias da seman :D]

09/02/2011

Let's fight for kisses!

Lascia perdere...

Tired_by_billysphoto

08/02/2011

Pedra - Arco - Ponte

 Marco Polo descreve uma ponte, pedra a pedra.
- Mas qual é a pedra que sustém a ponte? - pergunta Kublai Kan?
- A ponte não é sustida por esta ou por aquela pedras - responde Marco, - mas sim pela linha do arco que elas formam.
Kublai Kan permanece silencioso, reflectindo. Depois acrescenta: - Porque me falas das pedras? É só o arco que me importa.
Polo responde: - Sem pedras não há arco.

CALVINO, Italo (1999). As cidades invisíveis. Lisboa: Teorema. 3ª ed. p.85

Ponte_Pedra_by_VictoriouSmiles

"Marco Polo descrive un ponte, pietra per pietra.
- Ma qual è la pietra che sostiene il ponte? - chiede Kublai Kan.
- Il ponte non è sostenuto da questa o da quella pietra, - risponde Marco, - ma dalla linea dell'arco che esse formano.
Kublai Kan rimase silenzioso, riflettendo. Poi soggiunse: - Perché mi parli delle pietre? È solo dell'arco che mi importa.
Polo risponde: - Senza pietre non c'è arco."

CALVINO, Italo. Le città invisibili.

05/02/2011

E o vosso nariz?

Tinha vinte e oito anos e, até então, sempre considerara o meu nariz se não propriamente belo, pelo menos muito decente, como todas as outras partes da minha pessoa. Por isso me tinha sido fácil admitir e afirmar aquilo que, habitualmente, admitem e afirmam todos os que não tiveram a desventura de receber por herança um corpo disforme, ou seja, que envaidecer-se com as suas próprias feições é coisa de imbecis.

Pirandello, Luigi (2003).Um, ninguém e cem mil . Lisboa: DN, Coleção Prémio Nobel - 1934.p. 5

eu mesma*

"Avevo ventotto anni e sempre fin allora ritenuto il mio naso, se non proprio bello, almeno molto decente, come insieme tutte le altre parti della mia persona. Per cui m'era stato facile ammettere e sostenere quel che di solito ammettono e sostengono tutti coloro che non hanno avuto la sciagura di sortire un corpo deforme: che cioè sia da sciocchi invanire per le proprie fattezze."
Pirandello, Luigi (1992). Uno, nessuno e centomila.  Milano: Mondadori. p. 3


[*sim, sim, eu tenho um grande nariz...]

03/02/2011

Apetecia-me

esmeralda_e_quasimodo__by_smokedval

Um beijo.
Um simples e descomplicado beijo.
Um beijo sem angústia, por medo de ser o último.
Um beijo sem mágoa, pelo mal que se fez.
Um beijo sem raiva, por ser tão vazio.
Um beijo sem vergonha, por ser pedido.

Um beijo.
Um beijo que se perca no tempo, por não ter pressa.
Um beijo apertado, por ter vontade.
Um beijo sem promessas.

Um simples beijo.


Parece tão simples...


[o excesso de música italiana anda a despertar o meu lado animal, acho que vou ter de me trancar em casa nos próximos tempos]

Porque sim

01/02/2011

Mi spiego

Quem por aqui para e lê o que escrevo já notou por certo um certo (foi de propósito) proliferar de expressões, música e afins de italiano. Prometi explicar porquê e hoje, antes de sair a correr rumo ao sul, elucido todos os que não comem nem dormem há semanas e se encontram presos na maior das reflexões, à custa do meu blogue.

Era uma vez, visto que já foi há muito tempo, por uma série de situações e acasos, diria bastante aleatórios, eu, a pessoa que vos escreve do além, viu-se colocada no já velhinho Línguas e Literaturas Modernas - variante de Estudos Portugueses e Italianos (sim, sim, nome comprido, cansa a escrever e experimentem acrescentar-lhe Ramo de Formação Educacional... o.O). Digo já velhinho por ter sofrido, pelo menos que eu saiba, duas reestruturações, uma ante e outra pós-Bolonha, deve ser qualquer coisa como Língua, Literatura e Cultura, digo eu!

O que começou com um I can't believe this is true! tornou-se o curso da minha vida e a descoberta da minha real vocação, que tinha andado atrofiada pelo bichinho do Jornalismo (coisas da juventude!).
Foram 4 dos melhores anos da minha vida (depois mais 2), permitiu-me estudar em Itália duas vezes e ter experiências que para uma miúda da aldeia eram mais do que magníficas.

Tudo lindo, tudo certo, mas a verdade é que ao fim de 6 anos de Faculdade, não havia muito para fazer com o italiano. Logo se levantaram os velhos do Restelo, "devias ter ido para Espanhol", "tinhas tido logo trabalho".... blá blá blá

Comecei a pensar o mesmo, desisti até de investir muito na língua, para além da manutenção de ouvir música ou ler umas coisas.

Tudo lindo, tudo certo parte II, não se desse o caso de ter sido contactada para dar Italiano A1 a uns miúdos que vão para estágio. Nove anos depois, quando o meu italiano estava já moribundo, quando eu já nem sabia dizer como me chamava.

Vai daí, tem sido um fartote de estudo pelo meu lado, pelo que aproveito todas as oportunidades que tenho para treinar.

Está explicado.