14/10/2011

Moro longe

Não sei o que se passa comigo, mas acontece sempre isto, estou sempre longe (demasiado longe)

Moro Longe - Vanessa da Mata

Você me chama como quem diz é logo ali
Saindo agora eu chego só três horas lá
Três conduções, olhar um sorvete e não tomar
Levar um lanche e só chegar na madrugada
Desbravamento, expedição, confusão
Só um beijinho, eu sinto muito
Não vai ser bom
Um copo d'água, um cafuné
Pra começar
Alguma hora se Deus quiser
Eu vou chegar

Quero pão novo
Pouca conversa
Uma casa aberta
Um ótimo vinho
Flores do campo
Banho quentinho
Uma sobremesa
Um atrevimento
Dedicação
Muito carinho
Derretimentos
Pra compensar

Porque eu moro longe, no fim do
mundo
Se eu for aí, faça valer a pena
Porque eu moro longe lá aonde
ninguém vai
Se eu for aí faça valer a pena

7 comentários:

  1. A minha versão do teu "longe" é o "quase"...

    :)

    ResponderEliminar
  2. EH LÁ! O design deste blog está assaz austero!

    ResponderEliminar
  3. Daniel:
    Está despoluído, despolvilhado, limpo de excessos.
    Andava demasiado 'ameninado', nada condizente com a minha personalidade. :)

    ResponderEliminar
  4. Eu gosto. És mais tu do que os bonecos anteriores.

    Além disso está de acordo com toda a austeridade que anda por ai...

    ResponderEliminar
  5. LOL

    A austeridade impera! ;)

    Ainda bem que deste por isso. Eu também acho. :)

    ResponderEliminar
  6. eu também moro longe pa carago! :(

    ResponderEliminar