25/03/2011

De forte e (im)prevista

dead_souls_by_Miss_Deathwish



Estou deprimida.
Quer dizer, não sei se estou; não sei se a consciência de que o possa estar invalide que realmente o esteja.
Deveria ter ido verificar, pesquisar sobre o assunto, não se pronunciam afirmações que não estejam devidamente fundamentadas. Não fui, também não vou.
De psicologia sei pouco, quase nada, sei que não se podem dar palmadas nas crianças porque elas ficam traumatizadas, sei que não é bom corrigir o que quer que seja com a cor vermelha, pela imagem sanguínea que passa, sei que as palavras ferem mais do que uma agressão física. Sei que o que fica das coisas que se dizem é mais difícil de sarar do que qualquer nódoa negra causada pela mão daqueles que muitas vezes julgam amar-nos.
De psicologia não sei.
Estou cansada.
O meu natural optimisto esgotou-se, não consigo já pintar quadros alegres, tudo é negro: o que vejo, o que digo, o que sinto, o que escrevo.

[enquanto isso, pondero voltar a vestir este espaço de negro escuro]

15 comentários:

  1. Neuras...Quem não as tem:)

    Eu sou pro-neura...disfarço é bem.

    Quem tem um mínimo de consciência e de inteligência não pode andar aí todo alegre...Não gosto!

    Por mim volta ao negro. E ao vermelho...Olha: lê o Stendal...lol

    ResponderEliminar
  2. Lembraste-me um dos meu poemas favoritos, só não tem negro. (:

    Branco e Vermelho - Camilo Pessanha

    A dor, forte e imprevista,
    Ferindo-me, imprevista,
    De branca e de imprevista
    Foi um deslumbramento,
    Que me endoidou a vista,
    Fez-me perder a vista,
    Fez-me fugir a vista,
    Num doce esvaimento.

    Como um deserto imenso,
    Branco deserto imenso,
    Resplandecente e imenso,
    Fez-se em redor de mim.

    [...]

    A dor, deserto imenso,
    Branco deserto imenso,
    Resplandecente e imenso,
    Foi um deslumbramento.
    Todo o meu ser suspenso,
    Não sinto já, não penso,
    Pairo na luz, suspenso
    Num doce esvaimento.

    Ó morte, vem depressa,
    Acorda, vem depressa,
    Acode-me depressa,
    Vem-me enxugar o suor,
    Que o estertor começa.
    É cumprir a promessa.
    Já o sonho começa...
    Tudo vermelho em flor...

    ResponderEliminar
  3. Vergonha não o conhecer:(

    Vês a tua neura já aliviou a minha:)

    ResponderEliminar
  4. Aqueles que me têm muito amor
    Não sabem o que sinto e o que sou...
    Não sabem que passou, um dia, a Dor
    À minha porta e, nesse dia, entrou.
    E é desde então que eu sinto este pavor,
    Este frio que anda em mim, e que gelou
    O que de bom me deu Nosso Senhor!
    Se eu nem sei por onde ando e onde vou!!

    Sinto os passos de Dor, essa cadência
    Que é já tortura infinda, que é demência!
    Que é já vontade doida de gritar!

    E é sempre a mesma mágoa, o mesmo tédio,
    A mesma angústia funda, sem remédio,
    Andando atrás de mim, sem me largar!

    Florbela Espanca

    Amo-te... Preta ou rosa... E estou aqui. :) hug

    ResponderEliminar
  5. Hummmm...é a minha 1ª vez aqui, como deves ter reparado...e venho dar contigo um nadinha deprimida???Digo um nadinha porque até sei do assunto: se tem consciência de que está "em baixo" já é bom sinal - agora o caminho é fácil...é sempre a subir, não há que enganar!
    Pondera (não muito) no que te fez ficar assim...Depois pensa nas muitas coisas que ainda podes fazer, que tens de fazer...não por te obrigarem, mas porque te apetece, porque te "deu na breca"! (atenção: nada de excessos!!!)
    Não faças comparações. Não te compares a ninguém porque tu és e serás sempre única; dá-te ao luxo de dizer: "hoje preciso chorar"...e chora, chora...porque faz bem.
    E...se precisares de uma palavra de conforto "virtual"...há aqui um danadinho que terá todo o gosto se puder, de algum modo, ajudar!

    ResponderEliminar
  6. Vou contar-te um segredo. Podes perceber pouco de psicologia, mas de psicologia nem os psicólogos percebem. Aquilo nem sequer é uma ciência....

    ResponderEliminar
  7. M.:
    Temos de ser uns para outros. ;)

    ResponderEliminar
  8. Tilida:
    O que sei é quase nada. :(

    ResponderEliminar
  9. Miuda C.:

    Tanto de meu estado me acho incerto,
    Que em vivo ardor tremendo estou de frio;
    Sem causa, justamente choro e rio,
    O mundo todo abarco e nada aperto.


    É tudo quanto sinto, um desconcerto;
    Da alma um fogo me sai, da vista um rio;
    Agora espero, agora desconfio,
    Agora desvario, agora acerto.


    Estando em terra, chego ao Céu voando;
    Numa hora acho mil anos, e é jeito
    Que em mil anos não posso achar uma hora.


    Se me pergunta alguém por que assim ando,
    Respondo que não sei; porém suspeito
    Que só porque vos vi, minha Senhora.

    ResponderEliminar
  10. danadinho:
    Obrigada pelas tuas palavras, já estou a subir rumo ao infinito. :)

    ResponderEliminar
  11. Voltaste! E a exigir explicações. Cá vai: os psicólogos são aqueles que não tiveram média para entrar em Medicina e depois seguir psiquiatria. A psicologia tem como base ideológica clichés, a psiquiatria sempre receita uns fármacos...

    ResponderEliminar
  12. LoL

    Não reclames! XD

    Hum... nunca tinha visto a coisa por esse lado, no entanto, eu dou-me mal com comprimidos.

    ResponderEliminar
  13. Aqui entre nós que ninguém nos ouve, eu dou-me mal sem eles...

    ResponderEliminar