25/05/2016

Pede-se gentilmente...

A_book_with_substance____by_ReturnFalse


A alguém que escreva a minha história e me conte já o fim.

Obrigada.
2 Dezembro 2008



(agarrada a este post que já tinha sido replicado em 2013 veio uma conversa com uma pessoa que nunca vi na vida e de quem só soube o nome, mas que me fez rir com o seu sentido de humor. lamentavelmente, parei o diálogo (que de tão público que era não tinha em si maldade alguma) por causa de valores mais altos. na verdade, fiquei sem a conversa e sem os tais valores, o que me levou à conclusão que, desde que a consciência esteja em paz, nunca se devem perder coisas bonitas por pressão de outrem. anónimo h., se me lês, peço imensa desculpa)

74 comentários:

  1. Este fim não é o que pensas.
    Este fim eu quero saber. :)

    ResponderEliminar
  2. Querida, Desafio lá no meu blog, participa. Beijinhos.

    ResponderEliminar
  3. não sei se querias saber o fim hoje... o amanha poderia não existir...

    agarra com força o que tens, vive com paixão o que conquistares

    bjs

    ResponderEliminar
  4. Isso é fazer batota. ;) Mas a ideia é curiosa. Já a imagem é simplesmente fabulosa. ;)

    ResponderEliminar
  5. Rui:
    Lê melhor a mensagem toda, mesmo a legenda da imagem, não é bem o fim que pensas. :)

    ResponderEliminar
  6. Patife:
    Não é batota, é apenas ter algumas certezas. :)


    A seguir-me? Quanta honra, majestoso senhor do grande nabo! :D

    ResponderEliminar
  7. Com receio de soar tétrico, lamento informal que vai acabar mal.

    ResponderEliminar
  8. Daniel:
    Não sejas trágico, olha que não o fim que pensas.

    Eu depois coloco aqui uns comentário já trocados a propósito deste post, escritos noutro espaço virtual, e que falam exactamente do fim que quero saber. ;)

    ResponderEliminar
  9. Já sabes, comigo é um permanente trágico-cómico.

    ResponderEliminar
  10. Este fim não é trágico, não é cómico, é romântico. ;)

    ResponderEliminar
  11. Nah, isso não tinha piada nenhuma, tens que ser tu mesma a escrever!
    Beijinhos,
    Sofia

    ResponderEliminar
  12. não li até ao fim porque nunca quero chegar ao fim...
    bjs

    ResponderEliminar
  13. Tenho medo do fim, mas também uma enorme curiosidade. Gostei do seu blog, se puder, conheça o meu também:
    www.detalhesavulsos.blogspot.com

    ResponderEliminar
  14. Tenho medo do fim, mas também uma enorme curiosidade. Gostei do seu blog, se puder, conheça o meu também:
    www.detalhesavulsos.blogspot.com

    ResponderEliminar
  15. Respostas
    1. oh i think i see what u did there

      Eliminar
    2. fim de objectivo, finalidade. se alguém te adiantasse porque estás aqui sempre era mais fácil cumprir com a coisa.

      ou então sou muito burro e não é nada disto

      Eliminar
    3. É uma perspectiva interessante e quase apanhou o sentido do que eu escrevi. A primeira vez que o escrevi, assim como nos anos seguintes, a maioria pensou que queria saber quando ia morrer, o que não tem nada a ver. Só uma pessoa percebeu o que era e tu, sem me conheceres, chegaste quase lá. :)

      (espero bem que não voltes a insultar-te no meu estaminé, ou levas com uma vassoura nas costas. humpf)

      Eliminar

    4. se soubesses o fim passavas ao lado os passos em falso.
      e as coisas tortas que sempre surgem, sem razão, mas sempre, eram retratos do que é errado, mas não aconteceu. porque é errado. e desnecessário.

      se soubesses o fim cumprias em ti a cada passo todos os momentos de uma ponta à outra. estavam contigo. passado presente futuro, alfa a omega a cada momento teu. o todo. disponível.
      e a história era *tua* e podias comer dela, o bolo inteiro. o bolo todo sem incertezas. o bolo com os doces e os amargos no sítio. que falta faz o sítio. os sítios. certos.

      não há nada, sob ou sobre o céu, como as arquitecturas perfeitas. em cada dor nossa respira a sua ausência, que nos dá o som côncavo da sua existência. nem que só em anseio. categoria porque quero. preciso.

      perfeição. e mais do que saber o fim tocavas-lhe. e ao tocar o fim tocavas tudo e em cada uma das tuas coisas as coisas eram tuas.

      e então podias começar.

      ...

      deste lado.

      do outro lado fica por saber a certeza do que é ter tudo no sítio, acabado. se fica acabado. se fica sem mais. sem mais nada.

      ou se podes mesmo
      começar.

      (boa sorte, sinceramente)


      Eliminar

    5. desculpa intrometer-me neste fio de conversa a dois, mas era onde melhor encaixava o que tinha a dizer.

      -- o mesmo anónimo de cima

      Eliminar


    6. já agora desculpa também o texto meio cacofónico...
      poetry is a better language. e acabo de me aperceber: i do not speak prose.

      é mais fácil aceitar. e é um momento que me faz lembrar de forma semanticamente solta a quase lenga-lenga "the art of losing is not hard to master..."

      ...

      (i like your blog)

      -- o (por demais) supracitado anónimo

      Eliminar
    7. Anónimo, sente-te sempre à vontade para comentares, mesmo que não seja em prosa, mesmo que seja em poesia cacofónica. (:

      Eu explico o mistério por detrás do pedido. É um desejo simples, encontrar alguém que queira escrever a minha história comigo, os anos todos que vierem, e me conte já o fim, ou seja, dê as voltas que isto der, aquela pessoa é a minha casa, o meu. Como vês, Anónimo, não é nada de mais, nem mórbido, nem relacionado com a morte, é a manifestação de um desejo romântico, de forma menos açucarada.

      Eliminar


    8. poesia demora-me. daí a prosa cacofónica.
      não pensei de todo que fosse relacionado com a morte. daí o meu texto.

      e percebo o que dizes. o que escrevi não anda longe. ainda que não seja tão específico como encontrares a tua casa em alguém. mas as coisas tocam-se.

      ter alguém que é a tua casa é, à falta de melhores palavras, algo que nos é essencial quando o descobrimos.
      alguém que olha contigo o horizonte, num espaço onde no tempo se fizeram irmãos.
      sei que a escolha da palavra irmãos pode não ser consensual.
      (não, não estou a falar de incesto por amor da santa, para os mais desatentos)

      se quisesse juntar as minhas e as tuas palavras dizia
      ao teu e a poderes tê-lo, inexplicavelmente todo. logo e sempre.

      ...

      numa nota bem mais ligeira e comentando outro post sobre micro-saias:

      o melhor piropo de homem das obras que já ouvi é tão bom que não pode ser real, eu pelo menos convenço-me que para ser tão mau - e tão bom - é preciso que seja fruto de uma mente demasiado abstracta e desfasada do acto de mandar piropo de um prédio em construção:

      Ó flor!... Posso-ta pôr?

      agradece-se a quem seja mais letrado do que eu a confirmação da veracidade do dizer...

      ...

      e pronto, tenho a confessar que por uma qualquer infiel associação estranha de conceitos me veio à cabeça quando acabei de escrever a última linha da parte anterior ("ao teu e a poderes tê-lo, inexplicavelmente todo. logo e sempre.") - acho que por uma questão de sonoridade - me veio à cabeça, dizia eu, some horrible stereotypical spanish porn... misturando:

      "si, aqui lo tienes, inexplicablemente todo"

      sempre acrescentava alguma densidade existencial ao argumento...
      ...
      há algum estatuto do blog que diz que os meus problemas não podem servir de entretenimento?

      * (obrigado pela hospitalidade, Uma Rapariga Simples)

      -- o dito anónimo, mas podes-me tratar por h.

      Eliminar


    9. e um suspiro leve também pode ser perfeitamente açucarado...

      o anónimo h.


      (ps- é uma resposta ainda ao teu comentário de cima... não estou a falar de suspiros pornográficos... isto nunca se sabe, tenho muita experiência com mal-entendidos (don't we all?) )

      Eliminar
    10. h, ainda estou abesbílica com a tua prosa! Ou isso ou fiquei estagnada no piropo do trolha. Caramba, aquilo é mesmo do melhor recorte trolhal, que é o mesmo que dizer "chiça, mas quem se lembrou daquilo?".

      Não sei se o blogue tem tal estatuto, eu não tenho, aqui neste espaço, desde que com um mínimo de respeito pelo alheio, pode-se dizer tudo, até se pode praguejar. Haja liberdade de expressão - o que quer que isso queira dizer. (:

      LOL

      Eu tive o mesmo pensamento, assim a roçar o indecente, sobre o tê-lo todo e tal, já na parte do suspiro, confesso que me lembrei de uma pastelaria e de bolos de chocolate. E isto é mau, muito mau! Ai, ai, que pensamento tão coisinho.

      Mal-entendidos parecem ser o pão do meu dia. Nada que um esclarecimento posterior não posso resolver. Não sou de ferver em pouca água. :D

      Eliminar

    11. "Eu tive o mesmo pensamento, assim a roçar o indecente, sobre o tê-lo todo e tal"
      -- Tu, para sempre imortalizado na Blogosfera =P

      fico um bocado mais descansado por saber que estou entre pares, mas sinceramente o suspiro lembrar pastelarias e bolos de chocolate é associação de palavras a mais... foi só uma palavra! pronto, enfim, concedo... quem é que ouve a palavra suspiro e não se lembra daquele doce todo branquinho? (pede-se que não haja AGORA associações menos próprias) Estou a pensar no doce certo não estou? Uma coisa a lembrar nuvem...? É que nem gosto muito de suspiros... da pastelaria, dos outros sou fã confesso...

      Quanto a esclarecimentos sim, mas é sempre uma seca a realidade ter de levar milhentas notas de rodapé tuas... (eu pelo menos sinto que estou sempre a sobreexplicar-me)

      o piropo do trolha estou até hoje para saber se é verdade se era uma coisa que uns amigos meus diziam (de há muito tempo, não sei porque nunca perguntei)

      e dado que até se pode praguejar deixa-me desde já dizer "mild foda-se with chances of rain". não sei. não perguntes.

      ah, e sinto sempre que tenho um vocabulário limitadíssimo em qualquer das minhas línguas - apesar de tirar bastante de contexto, fui ver bem bem o que era abesbílica... shame, shame...

      Eliminar


    12. que amigos meus diziam, leia-se, neste preciso contexto, de "coisas giras que os trolhas dizem"...

      quanto a ser "muito muito mau" o pensamento coisinho, what are you gonna do? Podia ser pior... podias ser o Quim Barreiros e viver só dentro daquele mundo... ok, acabo de me aperceber o que deve ser seguramente a experiência mais surreal do mundo... viver dentro da cabeça do Quim Barreiros, mas em desenho animado, tipo uma espécie de Yellow Submarine da piada brejeira...

      "Tiro o carro, ponho o carro..."

      Eliminar


    13. é agora que tu dizes de forma muito seca, a deixar-me no vazio

      "o Quim Barreiros é meu pai..."

      Eliminar

    14. sorry, era para elaborar mais sobre o pensamento coisinho word association etc mas perdi-me no Quim Barreiros...

      Eliminar


    15. se calhar já não estás por aqui... estava a gostar de falar contigo.
      mas talvez a caixa de comentários de um blog não seja o sítio adequado para levar a cabo o que é essencialmente mais um chat. não tenho grande hábito disto, devo dizer.

      vou espreitando aqui de vez em quando. se não hoje continuamos outro dia.

      beijinho!

      Eliminar
    16. Não tens a sensação de quanto mais queres explicar menos te consegues explicar? Como se ficasses enredado nas tuas palavras e ideias, a ponto de já nem saberes muito bem qual o sentido do que querias dizer? Espero meeeeemo que sim, para não me sentir tão sozinha.

      Não têm de ser notas de rodapé, podem ser esclarecimentos simples, só para não haver confusões. (:

      Juro solenemente que só pensei nos tais bolinhos e que "branquinho" só me lembrou o açúcar e que não houve nem mais um pensamento menos próprio que envolvesse coisas doces e afins. Àquela hora da noite, também já não se podia esperar muito mais. :D


      Qu´horror!!! O Quim Barreiros não é meu pai! Embora o meu pai também se chame Quim e tenha bigode... oh mãeee, anda cá esclarecer-me uma coisa!

      Viver na cabeça do dito senhor deve ser o equivalente a viver numa Casa dos Segredos ou uma novela muito má e cheia de sentidos subentendidos. É capaz de ter a sua piada na primeira meia hora, mas depois é coisa para nos levar a bater com a cabeça nas paredes e a pedir misericórdia.

      Vocabulário limitadíssimo em qualquer das tuas línguas... isso soa-me a gabarolice! Ah, já me dei conta de que país me escreves, pelo menos três línguas já foram acrescentadas ao teu currículo mental. Porém, elucida-me sobre a tua proficiência linguística e envergonha o meu parco conhecimento das variantes do indo-europeu.


      Mi casa es tu casa. Volta sempre. (:

      beijinho

      Eliminar


    17. pode soar a gabarolice. mas sabes aquelas coisas que tu queres dizer, puras e cruas, mas para dizê-la sem segundas implicações pode sempre soar que elas estão lá? tipo não tens hipóteses para o dizer... é mais ou menos o caso. e as línguas bem bem são só duas (bilingue desde criança português-inglês... espanhol, er, qualquer coisa mas não inteiramente bi, er, ora e vai um, trilingue, aprendi já em adulto... a língua do país de onde escrevo sei duas ou três palavras e de resto muitos gestos. estou aqui a passar uns meses mas pesco muito pouco. lazy). e sim, i suppose que dizer isto desta forma, vocabulário limitadíssimo em qualquer das minhas línguas, seja também uma forma me defender (mais do que me promover, embora vá dar ao mesmo) - tenho um vocabulário limitado, [voz de criança irritante] mas ao menos sei mais lííínguaas... mas o que queria passar era que sinto mesmo que tenho um vocabulário limitado... across the board

      uuf... see what i mean das notas de rodapé...

      e sim, acompanho-te na sensação... também porque quando nos queremos explicar, estamos muitas vezes também metade a percebermos nós próprios o que estamos a querer dizer. não inteiramente acessível. most times we're legit, we just take too long to get it across. e perdemo-nos um bocado. às vezes parece que era mais simples virmos com entradas usb, para as situações críticas - "espera, espera, não estás a perceber, ora liga-te aqui ao meu cérebro e já vês"... i know, stupid...

      e adorei o "oh mãe anda cá esclarecer-me uma coisa"!!! mesmo

      quanto ao Submarino do Quim, parece-me simplesmente que é um daqueles filmes que falta fazer...

      Eliminar
    18. ahahahah

      Ah, é para trocar galhardetes? Pois bem, diz que aprendi inglês e francês e italiano e que tive um ano de neerlandês e um semestre de espanhol! E cinco anos de latim!! Toma e embrulha!

      Agora a sério, cada vez sei menos de cada uma das supra mencionadas, incluindo o português. Isto é terrível, porque fico com a ideia de que a única língua de jeito que sei falar, ler e escrever é esperanto e mesmo assim duvido...

      Sabes que eu defendo a implantação de uma entrada USB, mas para poder ligar a impressora. Os melhores textos que escrevi ficaram todos na cabeça, na hora de os passar para o papel, nicles. Uma grande chatice! Também podia ser por wireless ou bluetooth. Não deixa de ser perigoso, tínhamos de por uma caixinha com botões e ter um código PIN, não fosse algum engraçadinho invadir-nos o pensamento. Já basta quando o engraçadinho nem sabe que lá mora...

      Esse filme só me faz pensar numa coisa: MEDO!

      Eliminar

    19. embrulho, sim senhora!! mas eu não vim defender nada muito a sério, é como te disse, nem chego necessariamente a trilingue. também tive latim na faculdade, mas ficou muito pouco. ainda assim gosto de volta e meia cantar o Adeste Fideles (Oh Come All Ye Faithful) sempre pouco a propósito e muito mal entoado. mas alto.

      e também incluía o português eu, nas falhas.

      "Já basta quando o engraçadinho nem sabe que lá mora" --
      pergunto-me o que seria se soubessemos sentir o lugar que ocupamos uns aos outros... apesar de muita fantasia, e uma impossibilidade de comunicação, ou mais ou menos, quero acreditar na genuinidade do lugar (próximo) que damos às pessoas, que não é tudo histórias e egoísmos. "quero acreditar" ponto final i suppose. que nós tentamos. e isso tem de ser alguma coisa. feita a introdução, i wonder if we feel alike. se em todo o lado a tentativa é tão infantil, ou embrionária, como a minha. pergunto-me se às vezes nos surpreenderíamos. sobretudo isso, acho eu. se nos surpreenderíamos...

      e portanto já vi que não é aqui que vou conseguir patrocínios para o meu
      "Toca toca aqui no periscópio - a Quim Barreiros narrative"

      Eliminar


    20. sabes esperanto or was it a comedic aid?
      pareceu-me mais comedic aid, mas nunca se sabe...

      eu falo também uma língua inventada por mim e mais cinco amigos em que cada palavra quer dizer o seu significado e também "traz-me uma chamuça". é muito pouco prática. acontece muitas vezes alguém não perceber o que estou a dizer e trazer-me uma chamuça.

      =P

      Eliminar
    21. Não me digas que és de Letras! Ai, por favor! É que é tudo gente avariada. lol

      Não sei se conseguiríamos sentir esse lugar. Até porque nao sei se o lugar ocupado tem sempre a mesma área. Não te acontece que haver pessoas que quase desaparecem do pensamento e de repente estão em todos os recantos do mesmo? Acredito que seria muito triste para essa pessoa dar-se conta apenas quando o lugar fosse minúsculo. Aiiii, sei lá do que estou a falar. Esse conhecimento poderia significar o fim da poesia. Seria uma pena, não?

      Eu também quero acreditar nisso, que é possível darmo-nos aos outros sem que seja perda, antes ganho: que é possível que faça sentido partilhar pensamentos e cadinhos de vida sem que ninguém se sinta diminuído.

      Pensando bem, deve ser por isso que a esta hora estou a trocar comentários com um anónimo chamado H, a viver em terras germânicas, em vez de estar a trocar juras de amor eterno. Ironias, meu caro. (:


      Oh, não digas isso. Este blogue apoia grandes causas e a divulgação da cultura. Amanda-me um projecto em triplicado e eu falo dele aqui. :D

      Eliminar


    22. letras sim, e parece-me que já vi algures neste estabelecimento que também és... quanto a avariados somos todos, uns escondem, outros ostentam, outros não sabem fazer outra coisa...

      e qualquer conhecimento mais absoluto parece encerrar aos nossos olhos o fim da poesia... o fim de tudo. tudo o que há a fazer. é aquilo que dizia, deste "lado" não sabemos se não será assim. continuo a querer acreditar que não, que de uma forma ou outra existem arquitecturas perfeitas e ponto final. não sei é lá chegar.

      e oh meu deus, já escreveste o país e tudo, eu que gosto de ter uma mínima pegada na internet e prezo tanto a minha privacidade - sou *daqueles* que não têm facebook - já começo a ser individualizado =D

      quanto a juras de amor eterno também julgo que, por uma coisa ou outra lida aqui, tiveste uma grande perda. i know what that feels like, só para dizer.

      o que dizer senão boa sorte (good night and good luck) e ao teu e a poderes tê-lo todo... crap, agora já não consigo dizer isto inocentemente =P

      Eliminar
    23. Culpada. Sou da faculdade com nome de garrafa de água - assim dizia um prof. de italiano que tive, mas acho que era dor de cotovelo lol. Eu sei que somos todos um bocadinho avariados, o que nem tem de ser mau, quer apenas dizer que todos temos as nossas coisas e até pode dar uma coisa gira, tipo série cómica, já que estamos numa de sétima arte ou coisa que o valha. :D

      tenho para mim que as arquitecturas perfeitas estão todas nas ideias, pelo que se apanhar o filho da mãe dele que inventou tal mundo sou capaz de o desancar! Assim mesmo, sem virgulas nem nada.

      Começas a ser gente, já viste? E diz lá que não é bom? :D Foi por exclusão de partes, não era difícil saber. Eu tenho FB, mas anda a sumir-se, da última vez apaguei vinte fotos e removi quarenta amizades, não gosto de me sentir espiada e aquilo é um antro de coscuvilhice. Entendo o que dizer, também evito o mais possível espalhar informação minha pelo virtual, embora haja uma ou duas fotos minhas aqui no blogue, que pouquíssimos viram, logo estou safa. :D

      Tive um série de grandes perdas, a última é que foi assim à grande e à portuguesa, com direito a filme de terror. But Im alive and kicking! - só para veres que eu sei umas palavras em estrangeiro. Algum dia as coisas mudam, ou então não, estou cansada de pensar sobre isso.

      Agora vou fazer uma caminhada. Está solinho e apetece. É bom para arrumar a cabeça.

      Para que conste, eu não te estava a despachar daqui, vale?

      Eliminar


    24. nem sei onde podia interpretar que me estarias a despachar... a sério, não senti nada disso.

      não faço a mais pequena ideia de qual será a faculdade com nome de garrafa de água...
      por falar nisso, a palavra luso não te soa imenso a algo cristalino e limpinho?... sim, cresci a beber água do luso =/

      sorry pelo filme de terror. os filmes de terror são daquelas coisas que quando se vivem mesmo dignos desse nome vivem-se imenso na primeira pessoa. shitty.

      pareceu-me nos teus escritos que tinhas tido uma perda daquelas, que deixa a alma vincada, com o lugar da pessoa fundo... anyway, your writing resonated.

      boa caminhada! aqui está meio cinzento e neve no chão, mas não está a nevar nem a chover.
      "foi você que pediu... um boletim meteorológico?"

      and ooooh, hidden blog photos, dito assim até parece um desafio! =P just kidding, eu comporto-me

      Eliminar


    25. quanto às arquitecturas perfeitas pertencerem ao mundo das ideias-

      muito falha em nós. acabo a ter de acreditar.
      porque quero, porque preciso. etc.

      Eliminar
    26. Ainda bem que não sentiste porque não era. (:

      Falava da FLUL. Luso lembra-me sede, deve ser sugestão do slogan. Uma vez fui ao Luso e comprei água de Penacova. Verdade! Só eu para fazer destas coisas. lol

      Fui mera figurante no dito filme, a personagem principal chamou a si todo o drama e quem ficou cá para contar a história nem sabe muito bem como a contar. Mas tudo passa, o bom e o mau passam. Às vezes voltam, só para nos lembrarmos que ainda estamos vivos. E isto lembrou-me uma música dos Ornatos:

      E aparece assim
      Acendeu-se a luz
      Estão vivos outra vez
      Se é tão bom de ouvir
      Vivo para ti
      Até o nosso amor morrer

      e daí não tem sentido nenhum...

      Quase esteve calor, ou então foi de andar, cheguei a casa a deitar os bofes pla boca. lol

      Mesmo que te quisesse dizer onde estão as fotos, já nem sei, andam mesmo perdidas por aí. (:

      Eliminar


    27. ia-te dizer conta-me por onde estiveste a passear, mas ocorreu-me que pode parecer cena de stalker...

      contento-me então, para paz de ambos, com "faz-me uma descrição pouco específica do teu passeio"

      =)

      Eliminar
    28. LOL

      Não tem nada que saber. Saio de casa, vou pelo caminho de terra, paralelo à estrada principal, entro na estrada principal, vou um bocado, e volto para trás. :D

      Eliminar


    29. assim como quem vai para o coiso, ou ali para o sítio? =P

      voltar para trás é sempre chato. sinto-me mais completo quando de alguma forma é circular.
      mas contento-me com ir ver o mar, ou qualquer coisa, e voltar para trás.

      entretanto estou - estamos, vou dizer que estamos - aqui a encher-te de comentários este post, e com comentários não inteiramente relacionados. não há problema?

      eu era para ir à cidade hoje, mas vou amanhã.

      diz-me uma coisa tua. the kind you tell perfect strangers to make a couch you both sit on, so against the odds.

      prometo fazer o mesmo.

      Eliminar

    30. ou tentar.

      Eliminar


    31. ok, vou dizer a minha e desarmar-me.

      a minha ingenuidade irreversível de querer partilhar, with a perfect stranger, a small perfect truth.
      mas acho que é batota, porque foi isso que me levou a fazer a pergunta em primeiro lugar.


      ...

      não era mais seguro quando estávamos a falar de carros e garagens da vizinha?

      =)

      Eliminar


    32. ok, i'll make it more interesting for you (ou não).

      pergunta-me o que quiseres, without a second thought, e se levar um sorriso no final respondo, no matter what.

      Eliminar
    33. Isso mesmo! Até parece que conheces o local. :D Eu também prefiro andar em círculo, mas aqui não dá. também não vejo o mar, mas sinto cheiro dos eucaliptos e dos pinheiros. Há-de servir de alguma coisa.

      Não problema nenhum com invasões destas. Entendo que os blogues são lugares de trocas de ideias e não onde um opina e os outros dão palmadinhas nas costas. Por isso, está-se bem. :D

      Há nos estranhos uma característica irresistível que é eles não saberem nada de nós e não fazerem juízos de valor sobre o que lhes confidenciamos.

      Olha, agora não sei que dizer... acho que está tanto dito por aqui, espalhado aos bocados. Posso fazer antes a pergunta? Porque é que não tens um perfil do blogger só para comentar? Não era mais prático? (:

      Eliminar


    34. enquanto espero, ocorre-me partilhar isto

      acabei de me aperceber do que falta no mercado português.
      da mesma maneira que os buraka som sistema fizeram um revamp do kuduru (não que seja conhecedor),

      faz falta alguém que lance a inexoravelmente ainda inexistente música pimba progressiva

      não, não. não penses só que é jogo de palavras. deixa que a realidade da coisa se instaure. right? right?

      Eliminar
    35. Mas essas coisas saem-te naturalmente ou tu provaca-las? ahahah

      Eliminar


    36. vou-te dar outra hipótese de pergunta, essa é tão técnica...
      mas não tenho perfil do blogger porque não tenho nenhum blog (se calhar nem é preciso) e porque sou um completo turista acidental nestas coisas. de vez em quando passo por uns blogs, raras vezes, muito raras, faço um comentário.

      quer dizer, a razão de fundo é também porque prezo a tal completa privacidade. sei que podia provavelmente assinar com um StarHunk69 ou coisa do género, mas para quê se posso simplesmente assinar h.? quanto mais que o StarHunk69 está completamente subentendido =P

      mas talvez deva perguntar: qual é a diferença no fundo? o que é que o blogger tem que os outros não têm?

      and i'll maintain your right to a juicier question...

      Eliminar


    37. carreguei num botão e a minha resposta desapareceu...

      dizia, entre o natural e o provocado, ou do sítio onde os dois se misturam. mas às vezes vem completamente da gut, como é o caso. acredito mesmo que a nível estético faz falta um revamp da música pimba. make it classy. but trashy. but classy.

      se o conceito se exportasse até podia ter um nome internacional. class-trash music. já consigo ver os escaparates da fnac...

      Eliminar


    38. confesso,

      gosto daquelas afirmações ou perguntas que rasgam o véu da decência e nos deixam a rir de estarmos num espaço estupidamente honesto.

      é daí que isso vem. desculpa-me o procurar.

      procurar é sempre um pouco trágico não é?



      Eliminar
    39. Sorry, tive de começar a fazer o jantar e a minha mãe quer adoçar a boca ao meu pai e lá tenho eu um pudim ao lume. ((:

      Só mencionei o facto por ser mais prático e podias ter um perfil, mesmo sem blogue, com o nome h. Não dizias mais do que disseste até agora. Sabes, não sou muito de fazer perguntas, a menos quando quero entender alguma coisa que possa não ter sido bem explicada, por isso, a menos que te pergunte: por que foste para aí? quantos anos tens? ou preferes pepsi ou coca-cola?, não estou a ver. :D

      Acho que tens de desenvolver essas ideias fenomenais.

      Eliminar


    40. estou por aqui mais ou menos de passeio. trinta e um. e epáá, agora é que me lixaste, porque às vezes a pepsi parece cair melhor, com um açúcar mais guloso ou não sei, mas depois de beber pepsi muitas vezes seguidas de repente a coca-cola parece mais equilibrada, como alguém que tem tudo no sítio, e não só um ou dois dos aspectos que a compõem...

      ainda bem que me perguntaste algo que faz parte do meu diálogo interior há já algum tempo... =D


      (actually honestly... pensamento coisinho =)

      espero que o pudim te tenha corrido bem!

      e - mas o que é que eu ganhava com um perfil exactamente?

      já me disseram para desenvolver de facto, mas o problema está mesmo aí. é que eu sou mesmo muito preguiçoso. sou o gajo do "não era fixe se...", eu sei, é ridículo...

      Eliminar


    41. ocorre-me que é a minha vez...

      1- onde gostavas... não, onde precisavas mesmo de ir?
      2- que idade tens? (esta mantenho =P)
      3- qual é a tua opinião verdadeira, aqui que ninguém nos ouve, sobre os refrigerantes B?

      Eliminar


    42. se te sentires intimidada com a pergunta sobre os refrigerantes B podes-me responder a uma coisa que me lembrei agora:

      li algures no teu blog que "sou como a Coca-Cola" (começo a pensar que a pergunta da pepsi/coca não foi inocente). a minha pergunta: porquê?

      (se me quiseres dar as duas respostas chego ao fim deste dia um homem feliz...)

      Eliminar


    43. sou capaz de ir falar com um amigo no skype on pressing matters daqui a minutos.

      promise i'll be back.

      *

      Eliminar
    44. Sou tão boa a fazer perguntas. :D

      - um à parte, o SLB acabou de marcar -

      Bem, respondendo:

      1 - Não posso revelar em público, mas posso dizer-te que qualquer sítio onde tivesse trabalho certo era bom.
      2 - De hoje a uma semana faço a idade de Cristo.
      3 - Prefiro água ou vinho branco. Às vezes, cai bem uma coca-cola ou uma sprite. :p

      Isso queria dizer que primeiro estanham-me, depois entranham-me, como o slogan que o Pessoa criou, antes de a dita ser o que é hoje. (:

      Mais alguma coisa?

      Eliminar
    45. Esqueci-me de mencionar que o pudim a modos que se pegou. lol Pus bastante caramelo para disfarçar. :D

      Eliminar


    46. por pontos:

      não sou muito de futebol, mas as they say, if knowledge is power... então eu sei que o slb acabou de marcar. er, tremble before me and cower, petty humans?

      o não posso revelar em público deixa-me muito curioso... mas se não podes revelar em público, também não podes revelar a razão :)

      cristo fez muitas idades, but i get what you mean. a idade da morte dele, then.

      às vezes uma coca-cola cai mesmo bem.

      sim, o slogan do pessoa. embora a tua versão é um bocado diferente, pelo menos o que escreveste.

      primeiro estanham-me, depois entranham-me... portanto primeiro cobrem-te de estanho... isso deve ser um bocado doloroso... =P

      primeiro estanham-me, depois entranham-me... maybe you should seek out new friends...
      =D

      desculpa o pudim...

      mais alguma coisa? mas sim, certamente. dá-me um momento.
      se quiseres aproveitar a tua vez...

      Eliminar

    47. posso atirar mais 3? tell me when you've had enough, sem receio

      1- O que é que sabes hoje que não sabias aos 18 anos e que não dispensas *mesmo* saber?

      2- O que é que farias se no dia seguinte ninguém se lembrasse do que tinhas feito? (sorry, tenho uma teenage fixation com o filme groundhog day... eu sei, eu sei...)

      3- uma pessoalizada - o que sonhas fazer quando sonhas o dia em que o pudesses ter, ele a tua casa... a pergunta não é tanto o primeiro dia... é mais o dia do meio, como imaginas a tua casa, no fundo, num dia sonhado distraídamente?

      Eliminar
    48. AHAHAHAHAH

      Primeiro estanham-me! ahahahah Creeeedo! Primeiro estranham-me, ai. lol O que me ri agora.

      Espera mais uma semana e saberás ao certo a idade, ou então vai há um ano e vê a de então. :D

      Ora bem, deixa cá ver:

      1. O que é amar alguém, mesmo que o resultado tenha sido desastroso. Agora eu sei o que é, não me limito a repetir o que li escrito por outros.

      2. Mas raramente as pessoas se lembram do que me fazemos, a menos que tenha sido alguma coisa muito má. ;)

      3. Imagino-a com música e livros espalhados por todo o lado. Imagino um dia de tranquilidade, com brinquedos de crianças espalhados pelo chão e bolos no forno e confusão sadia à hora da refeição. Imagino o fim da noite, quando fica tudo em silêncio e nós ficamos só os dois. Então eu regresso a "casa".

      Eliminar


    49. sim, já sei a tua idade, não preciso de exercícios matemáticos, tu disseste-me, daqui a uma semana a idade do JC =P, portanto agora, para todos os efeitos, dizemos... menos um ano.

      gostei da 1. não tinha pensado nisso para mim quando escrevi a pergunta, não pensei nisso para minha resposta, mas sim. também no meu caso. amores diferentes. uma profundíssima irmã, uma profundíssima amante... se calhar fico-me por dois... mas bocados enormes de mim. e fiquemos por aqui.

      raramente as pessoas se lembram do que fazemos de facto. always reminded of this thing they say: "do not take yourself so seriously. nobody else does".

      gostei também da 3. tranquilidade indeed. alguns dos meus melhores sonhos têm a ver com tranquilidade.

      e assim de repente depois deste hiato em que estive a fazer uma série de outras coisas de repente estou com a mente em branco.

      you shoot

      Eliminar
    50. Escolhe outra entrada, já estou cansada de cá chegar abaixo. COnforme a tua escolha, eu lanço o próximo dado. (;

      Eliminar
  16. Daqui Professor Bambo:

    É só para lhe dizer que vai ser você a escrever seu futuro. Vai ter amor, sangue, suor e lágrimas. Para consulta personalizada ligue para: 91919191.
    Aceita-se numerário, multibanco e cartões de crédito.

    Over 'nd Out!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Esta chamada não é a pagar ao destinatário, pois não? :D

      Eliminar
  17. Seria impossível,
    Mas com calma, chegas lá :)
    Chegamos todos, um dia

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Será um bocadinho possível, segundo a lógica que expliquei ao Anónimo, ali em cima. (:

      Eliminar