18/12/2010

E assim acontece(u)



Fui completamente apanhada de surpresa com a morte daquele que foi o principal responsável pelo desenvolver da minha curiosidade  pela cultura e pelos livros, estávamos em 1994 e o Acontece era a minha companhia ao fim da noite.
Desporto e cultura, melhor, cultura e desporto. Primeiro o Acontece, depois o Remate (se não erro), no Canal 2.
Sempre senti um grande carinho por este grande jornalista e o conhecimento tardio da sua morte trouxe-me uma grande tristeza.
Era meu homónimo no nome e lembro até de uma vez, no meu ano de caloira, de um professor de Latim me ter perguntado se era a sobrinha dele, não era... quem perdi fui eu.
Faço aqui a minha sentido homenagem.


8 comentários:

  1. Quem perdeu fomos nós.

    Só soubeste agora? Fechada em reuniões? lol

    Foi um bom divulgador. Nunca alinhou pelo sistema e pagou caro. A RTP enterrou-o antes do tempo. Quem sabe com que consequências pessoais.

    Mais uma razão para me desiludir com Portugal...

    Se ele fosse jogador de futebol...

    ResponderEliminar
  2. Soube ontem, não estava cá. :( E se não tivesse andado a correr os jornais que sigo no FB, se calhar ainda não sabia...

    Este país trata realmente mal todos aqueles que lutam para fazer dele um lugar melhor. :(

    ResponderEliminar
  3. Muito honestamente eu nunca vi o Acontece, até porque nunca fui grande fã de televisão.

    As referências que tenho dele enquanto pessoa não são boas, mas enquanto jornalista toda a gente parece ter boas memórias do Acontece.

    Que descanse em paz. =/

    ResponderEliminar
  4. Tens razão, cada pessoa tem mais do que uma face, digamos assim, talvez dimensão até seja o mais correto, e eu só conhecia a de jornalista.
    Possivelmente, se conhecesse a dimensão homem, nem gostaria tanto, mas não conheci.
    A ele deve o Herman paródias fantásticas no Herman Enciclopédia. :)

    ResponderEliminar
  5. Até vendo o vídeo que postaste se repara que não falam na dimensão humana dele. Exaltam as suas capacidades jornalísticas e a sua 'vontade de viver'.

    Um amigo meu ( é mais conhecido meu) trabalhou com ele na RTP e diz-me que não era de tratamento fácil, que era arrogante e exibia constantemente ares 'de superioridade', mas os telespectadores não sentem essa perda, as pessoas sentem a perda do homem-jornalista que muitas noites (suponho que o Acontece desse em horário nobre) os acompanhou. E essa é uma faceta que merece ser homenageada e recordada.

    Eu só vi um programa do Herman em toda a minha vida, um na SIC com o Bruno Nogueira. :S A minha cultura televisiva é quase nula. :(

    ResponderEliminar
  6. o.O
    Tu nasceste em 80???

    Toma, pega e vê.
    http://www.youtube.com/watch?v=lWkl03RKpeM

    ResponderEliminar
  7. assim, ainda acontece, o homem parte mas a sua marca fica!

    cultura neste nosso país, é para muitos programas sobre a vida dois outros, novelas e futebol, qualquer programa extra...

    mas enfim é com a nossa cultura que temos que viver.

    NÓS somos os herdeiros do que nos é transmitido, das duas uma ou somos carneirinhos e seguimos a variante novelas, ou usamos o músculo do pensamento e o conceito de cultura que sempre existiu na nossa TV mas que é sempre relegado para um plano do esquecimento serve de facto para alguma coisa.

    mas, assim acontece...

    bom fim-de-semana

    ResponderEliminar