14/05/2009

Sempre para sempre

Tanto já se escreveu sobre o amor no espaço real e virtual.
Visões mais adocicadas, revoltadas, amargas, sonhadoras, irreais, demasiado reais, desiludidas, bastante iludidas... visões pessoais, visões de terceiros, visões copy-paste.
Hoje apetece-me falar do Amor, mas não tenho nada original ou muito inovador para acrescentar a tudo o que já foi dito.
Por isso, deixo mais uma música dos Donna Maria, uma definição de amor declamada pelo Gil do Carmo.


Sempre para sempre

Musica: Ricardo Sotna e Gil do Carmo
Letra: Miguel A. Majer


Há amor amigo
Amor rebelde
Amor antigo
Amor de pele

Há amor tão longe
Amor distante
Amor de olhos
Amor de amante

Há amor de inverno
Amor de verão
Amor que rouba
Como um ladrão

Há amor passageiro
Amor não amado
Amor que aparece
Amor descartado

Há amor despido
Amor ausente
Amor de corpo
E sangue bem quente

Há amor adulto
Amor pensado
Amor sem insulto
Mas nunca tocado

Há amor secreto
De cheiro intenso
Amor tão próximo
Amor de incenso

Há amor que mata
Amor que mente
Amor que nada mas nada
Te faz contente me faz contente

Há amor tão fraco
Amor não assumido
Amor de quarto
Que faz sentido

Há amor eterno
Sem nunca talvez
Amor tão certo
Que acaba de vez

http://www.youtube.com/watch?v=hAeiVae73GI

25 Setembro 2007

Sem comentários:

Enviar um comentário