14/05/2009

House

18 Março 2008


Todas as modas têm as suas contra-modas.
Não sei se este termo existe, mas para mim faz todo o sentido.
Sempre que surge alguma coisa que desperta a curiosidade de muitas pessoas, surge logo o movimento oposto que odeia o que os outros amam.
E isto aplica-se perfeitamente ao fenómeno House.
À medida que a série foi ganhado fãs, prémios e prestígio, aumentou proporcionalmente o número dos que não lhe vêem préstimo algum.

Ora, tenho andado a ler umas coisas na Net, principalmente dos que falam mal.

Argumentos:
Tem demasiado mau-feitio, na vida real já estava preso.
A medicina não se exerce assim, há coisas que vão contra os regulamentos.
Os diagnósticos não levam tanto tempo a serem feitos.
Não há ninguém assim tão bom.

E eu contra-argumento:

FICÇÃO!
PERSONAGEM DE FICÇÃO!

Vamos lá a ver, ele não é humano, é criação de pelo menos três pessoas diferentes.

O que interessa na série não é a prática da Medicina mas o médico que a pratica.
Por isso a série se chama House, MD e não ER!

Quem lê sabe que são as personagens fortes, redondas, obtusas, complicadas, enervantes que nos cativam.
Heathcliff estabeleceu comigo uma relação de amor-ódio tão profundo que li o Alto dos Vendavais num só dia pelo tanto que detestava a figura!

Outra coisa não se poderia esperar deste House.
Quem o criou sabia perfeitamente que só uma personagem que desconstruísse o nosso horizonte de expectativas sobre médicos da T.V. teria a capacidade de cativar os espectadores para mais uma série sobre médicos.

Ele é assim porque tem de ser assim.
Mais do que um médico, é um herói.
Não tem capa nem espada, não voa nem atravessa paredes, mas exerce malabarismos de nos cruzar os olhos com aquilo que ele sabe… medicina!

Os médicos reais não são assim?
Os hospitais não são como o da série?
Nem é suposto ser…

Nunca vi ninguém pôr em causa o profissionalismo dos fotógrafos ou dos jornalistas à custa do Peter Parker ou do Clark Kent.
Então por que se insiste em comparar o que é ficção com a realidade?


Quem é o House?


House_MD___black_and_white_by_Melwasul


Ele é uma pessoa difícil, maligna, indiferente aos outros, senhor de si e das suas atitudes, ou não!

Ele tem uma componente humana que escapa a muitos, porque ele preocupa-se com os seus doentes, se não se preocupasse tanto não passaria horas a tentar salvá-los!
Eles são mais do que meras peças do puzzle que ele quer sempre montar, elas são pessoas como ele, a diferença é que se ele se preocupar fica como os outros e perde-se o efeito “diferença”.

Este House é como o café. O Café bem forte que se bebe sem açúcar.
Estranha-se à primeira, estranha-se muito…
Mas depois vicia tanto que tem de ser tomado em doses racionadas.

Ele envolve, absorve, mas dá muito, é preciso saber esperar.

Até porque aqueles que são dele ele protege e não deixa que ninguém toque.

Capaz de actos de grande generosidade, prefere ficar a amargar sozinho a amargar com companhia. Prefere abrir mão das coisas que gosta a tê-las pela metade.

Sem comentários:

Enviar um comentário